CPPME pede mais medidas para a preservação do tecido empresarial português

A confederação mostra-se preocupada com a ineficácia, burocracia e atrasos nos apoios até aqui definidos, pedindo, portanto, mais medidas que visem a retoma económica das micro, pequenas e médias empresas.

A Confederação Portuguesa das Micro, Pequenas e Médias Empresas (CPPME) pede um conjunto de medidas que considera urgentes para a manutenção do tecido produtivo nacional, dada a “preocupação quanto ao futuro, perante a dispersão dos anúncios, o excesso de regulamentação, a burocracia, os atrasos e a insuficiência dos apoios até aqui concretizados”, como se pode ler no comunicado desta quinta-feira.

A CPPME apela a que sejam tomadas medidas “concretas e eficazes” de apoio à retoma, apontando às “necessidades reais” dos empresários nacionais. Assim, e após uma reunião com 40 associações empresariais de diversos sectores, a confederação pede com urgência um reforço de tesouraria e recapitalização das empresas a fundo perdido, com 2% do valor nominal para as microempresas e 1% para as pequenas, valores que passam ao dobro no caso de sectores com perdas acima dos 40%.

Adicionalmente, o comunicado refere uma prorrogação e alargamento das moratórias de crédito, um regime especial para pagamento de impostos em atraso sem juros nem garantias e suspensão do pagamento por conta, e a não-discriminação das empresas que representa a CPPME na atribuição de apoios.

Além disto, a confederação sugere a criação de apoio a fundo perdido de 15 mil euros por cada posto de trabalho criado e preenchido por desempregados, bem como um de 75% do valor recebido de ajudas Covid entre março de 2020 e maio 2021 às empresas que mantiveram os postos de trabalho.

Para a preservação do tecido empresarial, a CPPME pede que seja definido um mínimo de 50% dos fundos europeus a distribuir como incentivos para as micro e pequenas empresas, a redução dos custos operacionais e de contexto, fundos para o emprego, apoios à internacionalização e a criação de uma plataforma e rede de contactos informáticos e presenciais de acompanhamento à recuperação empresarial.

Recomendadas

Meses de Verão vão “mitigar os prejuízos” dos sector das viagens, mas recuperação vai demorar, alertam agências de viagens

Segundo o vice-presidente da ssociação de Sócios Gerentes das Agências de Viagens e Turismo “o Algarve continuará a ser a região de eleição e os turistas britânicos vão ter muito peso no aumento do turismo no país”.

Passageiros nos voos da TAP entre Portugal e o Reino Unido mais que duplicam

Em comunicado a TAP aponta que “a entrada de Portugal na “green list” de destinos de Inglaterra teve um impacto positivo na procura de voos entre o Reino Unido e Portugal.

Venda das barragens da EDP: Movimento exige a Finanças “arquivamento imediato” de inquérito a funcionário da AT

O Movimento Cultural da Terra de Miranda (MCTM) diz “não haver razões” que justifiquem “processo de inquérito” a membro do Movimento, ex-dirigente da AT, devido a nota jurídica sobre o impacto fiscal da venda das barragens da EDP no Rio Douro à Engie. Exige um pedido de desculpas ao MCTM e dá conta que documento foi elaborado  a pedido do Ministro do Ambiente, numa reunião que realizou com este Movimento, em 2 de setembro de 2020.
Comentários