Da Irlanda para a Europa: Paschal Donohoe sucede a Centeno na presidência do Eurogrupo

Paschal Donoe é o quarto presidente do Eurogrupo depois do luxemburguês Jean-Claude Juncker (2005-2013), do holandês Jeroen Dijsselbloem (2013-2018) e o português Mário Centeno (2018-2020).

Paschal Donohoe é oficialmente o próximo sucessor de Mário Centeno e ocupará a presidência do Eurogrupo nos próximos dois anos e meio. Será o primeiro irlandês neste cargo. O seu percurso profissional está marcado pela política, economia e o turismo. Já viveu em Inglaterra e depois regressou à Irlanda e agora ocupa a posição de Presidente do Eurogrupo. Antes de ser eleito, Paschal Donohoe, puxou dos galões e recordou que é “um dos ministros das Finanças da União Europeia e membro do Eurogrupo” em exercício há mais tempo.

Paschal Donoe nasceu em 1974, em Phibsborough , Dublin, e estudou no colégio St. Declan, em Cabra, na Irlanda. Do norte passou para a costa leste da Irlanda, onde estudou Política e Economia no Trinity College, em Dublin, segundo o Irish Independent.

Rapidamente Paschal Donohoe entrou no mundo do trabalho, na multinacional Procter & Gamble, em 1997. Foi viver para o Reino Unido para poder desempenhar a função de diretor de vendas e marketing e mais tarde, em 2003 regressou à Irlanda e decidiu investir na sua carreira política.

O investimento político começou no Conselho da Cidade de Dublin, quando foi eleito, em 2004, por Glasnevin. Atuou em vários comités antes da sua eleição para o Seanad Éireann, o Senado da Irlanda, em 2007 e  no Dáil Éireann, parlamento Irlandês, em 2011.

Em 2013, Paschal Donoe chegou a ministro irlandês dos Assuntos Europeus, após a renúncia de Lucinda Creighton em julho de 2013. Depressa foi promovido, um ano depois, a ministro dos Transportes, Turismo e Desporto. Em 2016, formou o Fine Gael, um partido político democrata-cristão da República da Irlanda e foi nomeado ministro da Despesa Pública e Reforma da Irlanda, para dali a um ano passar a assumir a pasta de ministro das Finanças.

O irlandês, que anunciou a sua candidatura ao Eurogrupo a 25 de junho, recebeu o apoio do PPE. Além da própria Irlanda, Paschal Donoe contou com os votos da Áustria, Eslováquia, Letónia, Chipre e Eslovénia.

“O presidente do Eurogrupo tem um papel crucial a desempenhar na resposta política às principais questões económicas, onde se inclui impacto da pandemia de covid-19”, referiu Donohoe, num comunicado onde anunciou a sua candidatura.

Paschal Donoe é o quarto presidente do Eurogrupo depois do luxemburguês Jean-Claude Juncker (2005-2013), do holandês Jeroen Dijsselbloem (2013-2018) e o português Mário Centeno (2018-2020).

Ler mais

Relacionadas

Paschal Donohoe leva a melhor perante Nadia Calviño e é eleito presidente do Eurogrupo

Mário Centeno passa a pasta ao irlandês, que assume funções na segunda-feira, mas a primeira reunião sob a sua presidência apenas terá lugar em setembro. A eleição desta quinta-feira decorreu de forma eletrónica e secreta. No final da reunião, o ministro das Finanças de Malta agradeceu em nome do grupo o trabalho do ex-homólogo português ao longo dos últimos dois anos e meio.

Centeno seguro de que deixa liderança do Eurogrupo “em boas mãos”

Argumentando que “estes últimos dois anos mostraram como o Eurogrupo pode liderar não só a zona euro mas o conjunto da UE, ao aproximar ainda mais a União”, Centeno apontou que os três candidatos à sua sucessão – a espanhola Nadia Calviño, o irlandês Paschal Donohoe e o luxemburguês Pierre Gramegna – “estiveram em incontáveis reuniões de longas horas” e “sabem o quão importante este grupo é”.
Recomendadas

Segurança Social regista défice de 86 milhões de euros em agosto

O saldo da Segurança Social caiu 95,8% em agosto face ao mesmo mês do ano passado, registando um défice de 85,9 milhões de euros, segundo a execução orçamental publicada esta sexta-feira pela Direção-Geral do Orçamento (DGO).
joão_leão_tomada_posse_1

Pagamentos em atraso do Estado diminuem 271 milhões de euros em agosto

Os pagamentos em atraso ascenderam a 558,8 milhões de euros até agosto, uma descida de 271,5 milhões de euros relativamente ao período homólogo e de 74,4 milhões de euros face ao mês anterior.

Queda da receita fiscal abranda em agosto para 2.270,8 milhões de euros

O Estado arrecadou menos 2.270,8 milhões de euros em impostos até agosto, correspondente a uma diminuição de 7,8% face ao mesmo período de 2019, cerca de metade da queda homóloga observada em julho, segundo a Síntese de Execução Orçamental.
Comentários