Financiamento da Comissão Europeia: das luvas eletrónicas aos estúdios de Hollywood

A Comissão Europeia anunciou no final do mês de junho a atribuição de 149 milhões de euros para financiar 83 PME e empresas em fase de arranque. Entre estas, contam-se várias empresas portuguesas.

A Comissão Europeia anunciou em finais de junho a atribuição de 149 milhões de euros para financiar 83 PME e empresas em fase de arranque que vão receber apoio financeiro e técnico no âmbito do projeto-piloto Accelerator do Conselho Europeu da Inovação (CEI), anteriormente conhecido como Instrumento para PME-Fase 2. Entre estas empresas, contam-se seis empresas portuguesas, que, tal como as demais, estão a desenvolver inovações disruptivas. A Winegrid, de Aveiro, é uma delas. Utiliza a inteligência artificial num sistema de sensores de fibra ótica para a monitorização em tempo real das propriedades do vinho durante a vinificação. Receberá 1,59 milhões de euros de financiamento.

“A estratégia para o financiamento obtido basear-se-á em três objetivos principais: Dar continuidade ao desenvolvimento e produção de soluções tecnológicas inovadoras para digitalização dos processos de produção vitivinícola em tempo-real; o reforço da equipa de colaboradores promovendo uma política de RH focada nas pessoas; e o reforço da expansão comercial e de proximidade com todos os parceiros nacionais e internacionais”, explica Rogério Nogueira, um dos fundadores da empresa, ao Jornal Económico.

Atualmente, a empresa encontra-se em fase de expansão em solo nacional, aumentando significativamente o número de clientes a utilizar o sistema Winegrid, e em fase de internacionalização, estando presente em França e Itália e contando entrar no mercado espanhol e chileno até ao final do ano. Alguns dos principais produtores vitivinícolas em Portugal e França já utilizam a solução Winegrid.
Também a Sound Particles, de Leiria, desenvolveu um software para áudio em 3D, com múltiplas aplicações em cinema, jogos de vídeo e música.

De acordo com a Comissão Europeia, receberá 1,2 milhões de euros de financiamento. O Sound Particles é um software áudio 3D, diferente de outros programas, e que utiliza conceitos de computação gráfica aplicados ao som, permitindo entre outras coisas, simular milhares de sons em simultâneo, sendo utilizado em todos os grandes estúdios de Hollywood, e em filmes como “Carros 3”, “Gru o mal disposto 3”, “Wonder Woman”, “Guardiões da Galaxia 2”, “Game of Thrones”, “Ready Player One”, “Smurfs”, “The Great Wall” ou “Independence Day”. “Na prática, vamos continuar o desenvolvimento do software e do negócio para passarmos de um produto de nicho de mercado para um produto de massas. Trabalhamos com grandes produções de Hollywood mas queremos “descer na pirâmide” e conquistar outros mercados”, explica o fundador da empresa, Nuno Fonseca. Hoje em dia, 60% da faturação vem dos Estados Unidos. Os outros 40% dividem-se entre Inglaterra, Alemanha, Canadá, Noruega ou França.

O Sound Particles começou como um projecto pessoal do fundador, em 2012. Na época tinha terminado o doutoramento e a ideia de juntar a computação gráfica ao som. Mais tarde, em 2014, foi a uma conferência em Los Angeles e, antes de partir, enviou alguns emails a responsáveis dos estúdios de cinema norte-americanos. O estúdio de George Lucas convidou-o a fazer uma apresentação para a equipa e, no espaço de seis meses, acabou a dar palestras na Universal, Fox, Sony, Paramount, entre outras. A Nuada, de Braga, desenvolveu uma luva eletrónica inteligente que permite levantar pesos até 40 kg protegendo as mãos do utilizador através de um sistema de tendões artificiais. Destina-se tanto a idosos ou vítimas de AVC como a trabalhadores em atividades pesadas (linhas de montagem, construção civil, etc.). Receberá 1,7 milhões de euros de financiamento. “Com este capital vamos conseguir finalizar o processo de desenvolvimento da luva com base nos últimos testes e concluir o processo de industrialização. As luvas vão ser produzidas sobretudo em Portugal”, diz Filipe Quinaz, um dos fundadores da empresa.

Um das utilizações principais é na área médica, sendo o produto, nesse caso, orientado para pessoas idosas ou que tenham artrite e pacientes que tiveram um acidente vascular cerebral (AVC). Outro dos focos é o sector que engloba actividades exigentes (trabalhadores em linhas de montagem ou na construção civil, por exemplo), podendo a luva ser utilizada para aumentar o conforto, a segurança e a produtividade desses profissionais e redução das lesões. “Esta luva, “segura” e “leve”, utiliza têxteis finos, respiráveis, flexíveis, inteligentes e personalizáveis e possibilita devolver a função da mão a pessoas com dor ou falta de força”, acrescenta o responsável. A Europa e os Estados Unidos são prioridade para a comercialização do produto. A MyDidimo, de Leça da Palmeira, a Pro Drone, de Lisboa. e a Cleverly, também de Lisboa, foram outras das empresas portuguesas financiadas através do Horizonte 2020.

Ler mais
Recomendadas

“O Amigo do Deserto”

Sacerdote, teólogo, crítico literário e fundador do seminário espiritual Buscadores de la Montaña, Pablo d’Ors dá-nos a conhecer nesta obra um homem dedicado aos desertos, que neles busca o absoluto e o silêncio. Eis a sugestão de leitura desta semana da livraria Palavra de Viajante.

Trufa branca: ritual repete-se em Lisboa até dia sete com o ‘chef’ Tanka Sapkota

O ‘chef’ de origem nepalesa Tanka Sapkota, especializado em gastronomia italiana, já há doze anos que proporciona um menu de trufa branca de Alba, no Piemonte, norte de Itália, no restaurante ‘Come Prima’, em plena Lisboa.

Toureiros e forcados juntam-se a plataforma que pede demissão da ministra da Cultura

Profissionais da tauromaquia dizem que a cultura é o “parente pobre das políticas governativas” e acusam Graça Fonseca de confundir “gostos pessoais com os seus deveres e obrigações de ministra”.
Comentários