Desapareceram 1,3 milhões de euros do fundo para Pedrógão

O Revita, fundo criado a 17 de junho com donativos particulares, terá apenas 1,9 milhões de euros, quando as estimativas indicavam que deveria ter 3,2 milhões. O PSD exige ao Governo que esclareça a questão.

O fundo criado pelo Governo para ajudar as vítimas do incêndio em Pedrógão Grande é menor que as estimativas e o PSD exige saber a razão da diferença. O valor estimado de transferências para o fundo é de 3,2 milhões de euros, mas o montante que está no fundo é de apenas 1,9 milhões de euros.

O Revita, fundo criado a 17 de junho com donativos particulares, terá 1,3 milhões de euros em falta, segundo informações prestadas pelo ministro José António Vieira da Silva ao PSD. O partido da oposição quer agora perceber onde estão os donativos desaparecidos.

“Estes números contrastam em absoluto e de forma que, diria, ridícula, com aquela informação que circulou na opinião pública e publicada, acerca dos valores que teriam atingido os donativos dos particulares. Isto revela, por parte do Governo, uma total descoordenação e incapacidade de gerir os próprios donativos privados que se propôs através da criação de um fundo”, afirmou a social-democrata Teresa Morais, em declarações transmitidas pela TVI 24.

Teresa Morais criticou ainda o Governo por ter decidido gerir os donativos e defendeu que é, por isso, “absolutamente imperioso” que o Executivo liderado por António Costa “esclareça o valor do restantes donativos que não estão no fundo e que dê uma explicação aos portugueses acerca dessas quantias e de qual é o destino que lhe está a ser dado”.

Relacionadas

Fundo que governo criou para Pedrógão tem donativos de dois milhões de euros

O Fundo Revita, criado pelo Governo para gerir os donativos de empresas e cidadãos portugueses para estes fogos, conta com donativos em dinheiro de dois milhões de euros. Ministério da Segurança Social esclarece que foram criados vários fundos geridos por diversas entidades para canalizar verbas para as vítimas.

Incêndios: Autarca de Pedrógão denuncia dinheiro desaparecido e subsídios duplicados

O Presidente da Câmara de Pedrógão Grande quer que o Ministério Público abra uma investigação a contas que foram abertas depois dos incêndios e cujo destino dos fundos é desconhecido. Valdemar Alves denuncia ainda que há pessoas a receber subsídios em duplicado.

Três fogos causaram mais de metade da área ardida em Portugal

Os fogos da Sertã e de Pedrógão são dos maiores registados nos últimos 11 anos, diz Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas. Incêndios têm vindo a aumentar de dimensão.

E se forem os municípios a coordenar entrega de apoios? Proposta vem de Castanheira de Pera

O presidente do município de Castanheira de Pera, no distrito de Leiria, um dos mais afetados pelos incêndios de junho, disse que deviam ser as câmaras a coordenar a entrega de apoios às vítimas.
Recomendadas

Um ministro das Finanças e um orçamento comum, as receitas de Blanchard para a Zona Euro

O antigo economista-chefe do FMI traçou o caminho para uma política monetária e orçamental mais coordenada para a zona euro. Além da criação de um posto de ministro das Finanças, Olivier Blanchard disse que é essencial agilizar as políticas sobre o défice e sugeriu um orçamento comunitário comum.

Governo estuda emissão de obrigações para empresas industriais

O Governo está a estudar lançar emissões de obrigações agrupadas para vários setores, nomeadamente o industrial, depois de anunciar hoje uma operação destinada a empresas de turismo, de acordo com o ministro Adjunto e da Economia.

“A economia está a arrefecer”, alerta banco central da Alemanha 

O Bundesbank, banco central alemão, considerou esta segunda-feira que a economia da Alemanha está a abrandar após um período de grande prosperidade, mas espera uma estabilização no segundo semestre do ano.
Comentários