Dow Jones rompe barreira dos 35 mil pontos em dia de ganhos em Wall Street

Depois das quedas de segunda-feira, os mercados norte-americanos fecharam mais uma semana no verde, conseguindo o quarto dia seguido de ganhos e alcançando novos máximos históricos.

Wall Street fechou mais uma sexta-feira no verde, conseguindo o quarto dia consecutivo de ganhos, o que impulsionou os principais índices a novos máximos históricos propulsionados, sobretudo, pelo sector da tecnologia.

O Dow Jones valorizou 238 pontos para chegar aos 35.061,62, uma valorização de 0,68% que colocou o principal mercado bolsista norte-americano pela primeira vez acima dos 35 mil pontos. O S&P 500 chegou aos 4.410,40 pontos, uma subida de 0,98%, e o Nasdaq avançou mais de 1%, ou 152 pontos, até aos 14.837 pontos.

O destaque do dia vai claramente para os títulos tecnológicos, que foram o principal motor das subidas no Nasdaq e no S&P 500. O Twitter valorizou 3,00% na sessão, depois do anúncio de que a sua receita cresceu 74% em termos homólogos, enquanto o Snapchat disparou 24% ao ultrapassar as previsões do mercado relativamente ao número de utilizadores e às receitas com publicidade.

Além destes, Facebook e Alphabet, a empresa-mãe da Google, subiram 6% e 4%, respetivamente, com os investidores a anteciparem uma divulgação de resultados forte na próxima semana. Este movimento nas principais cotadas tecnológicas acabou por beneficiar também Apple, Amazon e Microsoft, que fecharam no verde.

Já o sector financeiro mostrou algumas dificuldades, apesar da subida das taxas de juro dos títulos do Tesouro a 10 anos. A Goldman Sachs fugiu às quedas com que fecharam Morgan Stanley, Bank of America, JPMorgan Chase e Wells Fargo, ainda que a principal perdedora entre estas cotadas tenha fechado 1,06% de desvalorização (no caso, a Morgan Stanley).

Recomendadas

EDP, Galp e BCP impulsionam bolsa de Lisboa

Galp dispara mais de 2% liderando os ganhos no PSI 20.

Wall Street fecha mista no primeiro dia de reunião da Fed

A Uber disparou 11% depois de informar que prevê que o EBITDA ajustado da empresa possa ser positivo em 25 milhões de dólares (cerca de 21 milhões de euros), o que representa uma melhoria face à perda antes estimada de 100 milhões de dólares (perto de 85 milhões de euros).

Moody’s sobe rating da CP

“A subida tem em conta as fortes ligações entre a Comboios de Portugal e o soberano, do qual recebe um apoio financeiro considerável”, considerou Francesco Bozzano, o analista da empresa na agência norte-americana, onde tem o cargo de analista vice-presidente-sénior.
Comentários