Premium“Overdose” de horas de trabalho tem efeito nocivo para Portugal

Horários de trabalho prolongados não fazem apenas mal à saúde. São também prejudiciais para a economia, pois inibem a inovação e a melhoria da gestão nas empresas. O economista José Tavares, da Universidade Nova, põe o dedo na ferida: “Estamos viciados em horas extraordinárias. Se as horas extraordinárias fossem uma droga leve, Portugal estaria em ‘overdose’ há décadas.”

Depois de um mês de agosto em que a Microsoft do Japão permitiu que os funcionários gozassem fins de semana de três dias sem reduções salariais, os resultados da experiência, conhecidos esta semana, foram surpreendentes. Embora a constatação de que a esmagadora maioria dos funcionários gostaram da experiência fosse expectável, outras evidências não seriam tão previsíveis: a produtividade dos funcionários aumentou 40% naquele período e a performance da empresa melhorou. As reuniões tornaram-se mais eficientes, os funcionários tiraram menos folgas, a utilização de eletricidade caiu de forma impressiva, tal como os gastos de consumíveis: os funcionários imprimiram 59% menos páginas de papel.

Num país em que os horários prolongados de trabalho são uma marca cultural – alguns gestores de topo chegam a ter semanas de 80 horas –, o projeto da Microsoft foi uma reviravolta reveladora, com cerca de 2.300 trabalhadores a ganhar cinco sextas-feiras seguidas de folga. “Trabalhe por um curto período de tempo, descanse bem e aprenda muito”, disse o presidente da Microsoft Japão, Takuya Hirano, numa declaração publicada no site da empresa, que vai agora testar este modelo de horário durante o inverno.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

PremiumSteve Easterbrook: Relação amorosa pôs fim a décadas de dedicação aos hambúrgueres

As regras criadas para evitar casos de assédio sexual puseram fim à carreira fulgurante de um gestor britânico que era adolescente quando descobriu o prazer de comer batatas fritas e batidos num restaurante McDonald’s e acabou por subir a presidente e CEO da empresa.

PremiumAlina Donets: “Mudanças climáticas estão a afetar os recursos hídricos”

A gestora do Global Water Fund da seguradora Allianz reconhece que existem indícios de que os padrões climáticos estão a mudar, o que tem consequências nos recursos hídricos disponíveis. Ainda sem investimentos em empresas portuguesas, Alina Donets recomenda alterar hábitos de consumo e a via da dessanilização.

PremiumBodo Ramelow: o presidente que fugiu da Alemanha Ocidental para a Alemanha de Leste

Levou pela primeira vez um partido de esquerda a vencer numas eleições estaduais na Alemanha. Mas Bodo Ramelow arrisca-se a ser ultrapassado pelos outros sinais que resultam das regionais da Turíngia: a diminuição cada vez mais acentuada do poder da CDU de Angela Merkel; e o imparável crescimento da extrema-direita do AfD. Três sinais que vão ficar como pistas para se compreender o que se irá passar nas próximas eleições gerais na Alemanha – algo que importa a toda a Europa.
Comentários