Premium“Overdose” de horas de trabalho tem efeito nocivo para Portugal

Horários de trabalho prolongados não fazem apenas mal à saúde. São também prejudiciais para a economia, pois inibem a inovação e a melhoria da gestão nas empresas. O economista José Tavares, da Universidade Nova, põe o dedo na ferida: “Estamos viciados em horas extraordinárias. Se as horas extraordinárias fossem uma droga leve, Portugal estaria em ‘overdose’ há décadas.”

Depois de um mês de agosto em que a Microsoft do Japão permitiu que os funcionários gozassem fins de semana de três dias sem reduções salariais, os resultados da experiência, conhecidos esta semana, foram surpreendentes. Embora a constatação de que a esmagadora maioria dos funcionários gostaram da experiência fosse expectável, outras evidências não seriam tão previsíveis: a produtividade dos funcionários aumentou 40% naquele período e a performance da empresa melhorou. As reuniões tornaram-se mais eficientes, os funcionários tiraram menos folgas, a utilização de eletricidade caiu de forma impressiva, tal como os gastos de consumíveis: os funcionários imprimiram 59% menos páginas de papel.

Num país em que os horários prolongados de trabalho são uma marca cultural – alguns gestores de topo chegam a ter semanas de 80 horas –, o projeto da Microsoft foi uma reviravolta reveladora, com cerca de 2.300 trabalhadores a ganhar cinco sextas-feiras seguidas de folga. “Trabalhe por um curto período de tempo, descanse bem e aprenda muito”, disse o presidente da Microsoft Japão, Takuya Hirano, numa declaração publicada no site da empresa, que vai agora testar este modelo de horário durante o inverno.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

PremiumEstímulo Monetário: O risco de ressaca num mundo viciado em dívida

O medo de uma crise financeira, além da inevitável recessão provocada pela Covid-19, levou os bancos centrais a injetar liquidez no sistema, em doses gigantescas de compras de ativos. A receita está a funcionar, mas o vício do ‘Quantitative Easing’ pode resultar numa ressaca, e embora não seja provável que a inflação acelere, a verdade é que os bancos centrais compraram mais risco e criaram uma montanha de dívida que um dia terá de ser paga, alertam os economistas consultados pelo JE.

PremiumPedro Moura: “Plataforma de gestão das florestas dá para relançar a economia”

Ex-CEO da Portucel Moçambique e especialista em gestão florestal, Pedro Moura diz que a produção eficiente de 70% do território permitiria criar muitos empregos no interior de Portugal e produzir biomassa para centrais elétricas 100% renováveis.

PremiumKevin Mayer: TikTok é a nova rede do executivo que não recebeu a recompensa devida pela Disney

Novo líder da aplicação chinesa de vídeos curtos que saiu a ganhar da pandemia de Covid-19, o norte-americano virou costas a Mickey. Alcançar 50 milhões de assinantes para a plataforma de streaming Disney+ não foi suficiente para chegar ao topo da montanha que o rato pariu.
Comentários