Emprego nos EUA: dados revelados esta semana vão tomar o ‘pulso’ à economia norte-americana

Depois de vários meses de descida, os dados conhecidos a semana passada revelaram a segunda semana seguida de aumento nos pedidos de subsídio de desemprego. Trump diz esperar “grandes números”

Estados Unidos | Getty Images

São conhecidos esta semana mais dados relativamente à situação laboral nos EUA, o país com mais casos de Covid-19 no mundo e onde a pandemia parece não abrandar. As expectativas são mistas, com alguns analistas e relatórios preliminares a indicarem números preocupantes de criação de emprego, enquanto o presidente Trump e os mercados mostram otimismo em relação ao cenário vivido na maior economia do mundo.

Quinta-feira é dia de divulgação semanal dos números relativos aos pedidos de subsídio de desemprego. A semana que terminou a 25 de julho marcou a segunda consecutiva em que se verificaram aumentos neste indicador, depois de descidas semanais desde março. Na semana em foco, o número de americanos a pedirem ajuda para fazer face a uma situação e desemprego foi de 1,43 milhões.

Na sexta-feira serão públicos os dados mensais do emprego no país, onde se inclui a criação de postos de trabalho e a taxa de desemprego no mês de julho. No mês anterior, a criação de emprego atingiu os 4,8 milhões de postos, bem acima dos 3 milhões esperados. No entanto, depois de perder 22,2 milhões de empregos em março e abril, a economia norte-americana tem ainda um longo caminho a percorrer para a recuperação total.

Donald Trump manifestou, esta quarta-feira, confiança em “grandes números” anunciados nos próximos dias. Também os mercados parecem não temer a onda de desemprego que assola os EUA, que vários analistas prevêem irá ainda piorar, especialmente dada a elevada probabilidade de uma forte segunda onda de Covid-19 e os efeitos que esta terá na atividade económica. Também a passagem dos benefícios federais de desemprego de 600 dólares para 200 (dos 505 para os 168 euros) preocupam os analistas, dado o seu impacto no consumo.

Recomendadas

Von der Leyen aguarda “bons resultados” da presidência portuguesa da UE

Numa entrevista à agência Lusa na véspera da sua primeira visita oficial a Portugal desde que assumiu a presidência do executivo comunitário, Ursula von der Leyen, antecipando a quarta presidência portuguesa da União, sublinha que esta “surge num momento crucial”, pois a pandemia, que provocou a maior crise na Europa desde a II Guerra Mundial, “ainda não acabou e a recuperação está ainda numa fase inicial”.

Von der Leyen: Portugal está no bom caminho energético e digital

“Já antes da pandemia, Portugal estava no bom caminho para garantir um cabaz energético mais limpo e uma maior digitalização”, declara a responsável, numa entrevista à agência Lusa na véspera da sua primeira visita oficial a Portugal enquanto presidente do executivo comunitário.

Portugal será importante beneficiário do fundo de recuperação, sublinha Von der Leyen

Em entrevista à agência Lusa na véspera da sua primeira visita oficial a Portugal enquanto presidente do executivo comunitário, Ursula von der Leyen afirma que “os cidadãos portugueses lutaram de forma muito corajosa e disciplinada contra o vírus e até têm sido mais bem-sucedidos do que outros”, e podem contar com o apoio da UE, que ajudará igualmente a “impulsionar” a retoma da economia portuguesa.
Comentários