Endividamento do sector não financeiro chegou aos 742 mil milhões em novembro

O sector público viu um crescimento de 1,4 mil milhões de euros no seu endividamento, quando comparado com outubro, enquanto que o privado verifica 0,7 mil milhões a mais. A variação total do endividamento no sector não financeiro foi, assim, de 2,1 mil milhões de euros.

O sector não financeiro português registou em novembro 742,8 mil milhões de euros de endividamento, que se dividem em 338,7 mil milhões no sector público e 404,1 mil milhões de euros no sector privado. Os dados foram comunicados esta quinta-feira pelo Banco de Portugal (BdP).

Este resultado significa que o sector público registou um aumento de 1,4 mil milhões de euros no seu endividamento em relação a outubro, enquanto que o privado verifica 0,7 mil milhões a mais. Combinados, a variação do endividamento no sector não financeiro foi de 2,1 mil milhões de euros.

O aumento verificado no sector público é explicado sobretudo pelo crescimento do endividamento face às próprias administrações públicas, de 2,4 mil milhões de euros, e face ao sector financeiro, de mil milhões de euros. Estes aumentos foram ainda balançados pela redução de endividamento face ao exterior, que caiu 2 mil milhões de euros.

No sector privado, o endividamento dos particulares face ao sector financeiro aumentou 0,4 mil milhões de euros e o das empresas cresceu 0,3 mil milhões de euros.

A nota do BdP informa ainda que a taxa de variação anual do endividamento total das empresas se manteve em 2,1%, enquanto que a dos particulares aumentou 0,2 pontos percentuais, chegando aos 1,4%.

Recomendadas

PremiumPoupança continua “muito abaixo” da média da zona euro

Deco alerta: não existe reforço em produtos de aforro. Aumento da poupança para máximos históricos resulta da diminuição do consumo.

PremiumCCP pede a Siza apoios para mais de 100 associações

Com o pagamento de quotas associativas penalizado pelas dificudades de tesouraria, CCP reclama ao Governo apoios a associações empresariais.

PremiumPRR mais para Estado do que para empresas domina preocupações

Maioria dos membros da Associação Cristã de Empresários e Gestores aceita desconfinamento só depois da Páscoa, mas criticam apoios disponibilizados.
Comentários