Marques Mendes: “Centeno é o coveiro da degradação do SNS”

O ex-líder do PSD acusou as cativações para a degradação do SNS e reforçou a ideia de que é preciso mais investimento para registar melhorias. “Alguma coisa tem de mudar”, disse Luís Marques Mendes, numa altura em que o “o panorama do serviço nacional de saúde é pior do que era na troika, e já era mau”.

Luís Marques Mendes diz que o Sistema Nacional de Saúde (SNS) entrou num “caos”. Questionado sobre a falta de urgências de obstetrícia prevista para o mês de agosto no hospital de Braga, o antigo deputado à Assembleia da República pelo PSD, na rubrica semanal no telejornal da SIC, disse que não se está a assistir a “um caso pontual”, mas antes são “situações generalizadas de problemas seríssimos no SNS”. “Isto é preocupante”, frisou.

O comentador político defendeu que a deterioração do SNS já se arrasta há algum tempo, mas que, com o encerramento rotativo das urgências, o problema ter-se-á agravado. “Isto já é antigo. Já tínhamos um problema de financiamento sério na saúde e por isso, faltam médicos, faltam enfermeiros, faltam outros profissionais e já há equipamentos obsoletos”, salientou.

Luís Marques Mendes atribuiu responsabilidades ao ministro das Finanças, Mário Centeno, pela degradação do SNS. “Eu, aqui, já nem falo na ministra da Saúde”, disse o ex-deputado.”É um problema de Mário Centeno. Acima de tudo, é um problema financeiro”, reforçou.

Mário Centeno é o grande coveiro desta situação. Merece um elogio porque pôs as contas em ordem, mas merece uma censura porque não foi equilibrada a distribuição de investimento. O problema do SNS é um problema seríssimo e não se resolve como uma nova lei de bases da saúde, resolve-se com investimento.

Além disso, e apesar da situação, que se tem arrastado, Luís Marques Mendes disse que a lei das 35 horas, que limitou para 35 horas semanais o tempo de trabalho dos profissionais no setor público, contribuiu para que “evidentemente houvesse falta de pessoal”. Quando às políticas orçamentais delineadas por Mário Centeno, isto é, às cativações, o comentador frisou que agravaram “a falta de financiamento para o SNS”.

Hoje o panorama do serviço nacional de saúde é pior do que era na troika, e já era mau.

Marques Mendes defendeu que a degradação do SNS extravasa os partidos políticos – “isto não é uma questão partidária”. Mas assumiu que as consequências são alargadas à sociedade, em especial “para as pessoas que não têm alternativas”.

“Quem não tem seguro de saúde, quem não tem as possibilidades de recorrer a um hospital privado, evidentemente que sofre com isto. Eu acho que isto é muito preocupante porque o SNS é talvez a ferramenta mais clara para combater as desigualdades sociais. E no momento em que entra em degradação – e é o que está a acontecer – isto não pode deixar de preocupar toda a gente”, disse Luís Marques Mendes.

Em termos políticos, o comentador defendeu que isto “é importante falar”, “porque alguma coisa tem de mudar”. Além disso, culpou a esquerda pela situação que se verifica no SNS atualmente. “Os partidos de direita têm normalmente a fama de ajudarem o setor privado da saúde; mas, depois, quem lhes dá o proveito, são os partidos mais à esquerda, como está à vista”.

Luís Marques Mendes alegou que a degradação do SNS está beneficiar o setor privado. “Os médicos preferem ir para os hospitais privados, doentes que vêem o caos deixam o setor público, e o Estado paga muito mais porque cirurgias que não são feitas em tempo útil no SNS passam para o setor privado. Tudo isto é mau”, salientou.

 

 

 

Ler mais

Relacionadas

Fim das taxas moderadoras nos centros de saúde vai ser adiado

O diploma, discutido e votado na generalidade na semana passada, vai ficar na gaveta. “Não há dinheiro para isso”, afirma ao “Expresso” uma fonte do Executivo.

“Só não haverá uma Lei de Bases da Saúde à esquerda se o PS não quiser”, diz Catarina Martins

A coordenadora do BE defendeu esta quinta-feira que “só não será aprovada uma Lei de Bases da Saúde com a esquerda se o PS não quiser”, considerando que ao negociar à direita os socialistas desdizem tudo o que disseram até agora.
Recomendadas

OE2020: Mais 111 milhões para obras nas escolas com prioridade para remoção do amianto

O ministro da Educação anunciou hoje no parlamento uma verba adicional de 111 milhões de euros para obras nas escolas, com prioridade para os estabelecimentos com estruturas com amianto.

Moody’s mantém ‘rating’ de Portugal inalterado

Agência norte-americana não se pronunciou sobre a notação da dívida soberana portuguesa, que se mantém em ‘Baa3’ e perspetiva ‘positiva’. Tal como na primeira avaliação do ano passado, a Moody’s atualizou apenas o calendário indicativo da próxima avaliação, marcada para 17 de julho.

Observatório de turismo do Algarve vai integrar rede mundial da OMT

O reconhecimento do observatório regional pela OMT acontecerá dia 23, na próxima quinta-feira, durante a FITUR, a feira de turismo de Madrid à qual o Algarve regressa este ano e onde se promoverá de 22 a 26 de janeiro.
Comentários