Município de Castro Marim assina Acordo Coletivo de Trabalho

A Câmara Municipal de Castro Marim assinou o Acordo Coletivo de Trabalho (ACT), que permitirá a reposição de vários direitos, retirados aos trabalhadores aquando da crise financeira em Portugal.

O presidente da Câmara Municipal de Castro Marim, Francisco Amaral e os representantes da Direção Nacional do Sindicato Nacional dos Trabalhadores da Administração Local (STAL), Paulo Gonçalves e Henrique Vilalonga, e da Direção Regional e da Comissão Sindical do STAL, Nuno Emídio assinaram o Acordo Coletivo de Trabalho que repõe vários direitos engavetados durante o período da troika.

Em causa estão, segundo explica a autarquia em comunicado enviado às redações, o usufruto de 25 dias úteis de férias, o gozo do dia de aniversário, o gozo do Dia de Carnaval, a dispensa de serviço em caso de funeral de parentes de 3.º e 4.º grau, a redução do período experimental do contrato de trabalho para metade e a possibilidade de chegar às 200 horas anuais de trabalho extraordinário.

“Este acordo de trabalho vem promover um maior equilíbrio entre a vida pessoal e familiar e a atividade profissional, procurando o bem-estar de todos e uma maior motivação profissional”, salientou francisco Amaral.

Recomendadas

Alberto João Jardim: “O nosso adversário foi número dois de Sócrates e chama-se António Costa”

O presidente honorário do PSD/Madeira afirmou este sábado, no congresso regional do partido, que o primeiro-ministro, António Costa, é o “adversário” da autonomia e aconselhou os dirigentes sociais-democratas a “internacionalizar” a questão.

Miguel Albuquerque rejeita “imposição colonial” de Lisboa

O líder social-democrata considerou que a sociedade madeirense está bipolarizada politicamente entre os “autonomistas” do PSD/M e os “feitores do colonialismo lisboeta, os socialistas e os comunistas locais subordinados às ordens do poder central jacobino”.

Cristas lamenta desinteresse de Costa por setor da saúde “em rutura”

A presidente do CDS-PP, Assunção cristas, lamentou hoje o desinteresse do chefe do Governo pelo setor da saúde, descrevendo-o como “em rutura” devido à “austeridade escondida”, numa conferência sobre o tema organizada pelo partido na sede de Lisboa.
Comentários