Município de Castro Marim assina Acordo Coletivo de Trabalho

A Câmara Municipal de Castro Marim assinou o Acordo Coletivo de Trabalho (ACT), que permitirá a reposição de vários direitos, retirados aos trabalhadores aquando da crise financeira em Portugal.

O presidente da Câmara Municipal de Castro Marim, Francisco Amaral e os representantes da Direção Nacional do Sindicato Nacional dos Trabalhadores da Administração Local (STAL), Paulo Gonçalves e Henrique Vilalonga, e da Direção Regional e da Comissão Sindical do STAL, Nuno Emídio assinaram o Acordo Coletivo de Trabalho que repõe vários direitos engavetados durante o período da troika.

Em causa estão, segundo explica a autarquia em comunicado enviado às redações, o usufruto de 25 dias úteis de férias, o gozo do dia de aniversário, o gozo do Dia de Carnaval, a dispensa de serviço em caso de funeral de parentes de 3.º e 4.º grau, a redução do período experimental do contrato de trabalho para metade e a possibilidade de chegar às 200 horas anuais de trabalho extraordinário.

“Este acordo de trabalho vem promover um maior equilíbrio entre a vida pessoal e familiar e a atividade profissional, procurando o bem-estar de todos e uma maior motivação profissional”, salientou francisco Amaral.

Recomendadas

Segurança do cofre do Banco de Portugal pode estar em risco. Militares não recebem há quase 7 meses

Este serviço de segurança é pago pelo próprio Banco de Portugal ao Ministério da Administração Interna que tutela a GNR. “O banco não é o problema, a GNR não é o problema”, assumiu um militar à Record TV Europa.

Terceira ponte sobre o Tejo volta a ser discutida 10 anos depois

A ponte anunciada por José Sócrates acabou por ser cancelada em 2010. Os custos foram então estimados entre 1,7 mil milhões e 1,9 mil milhões.

Prémios polémicos levam Comissão Executiva da TAP ao Parlamento. Assista ao debate

A comissão executiva da TAP está a ser ouvida na Assembleia da República sobre prémios polémicos atribuídos a trabalhadores, após terminar o exercício de 2018 com prejuízos. O requerimento para ouvir a comissão executiva da transportadora aérea foi apresentado pelo Bloco de Esquerda (BE), que classificou como “inaceitável” a decisão.
Comentários