NOS e Deloitte assinam acordo de cooperação para cidades inteligentes

O acordo de cooperação entre a NOS e a Deloitte Portugal contribuirá para aceleração de uma estratégia nacional de cidades inteligentes, através da coordenação de esforços de entidades privadas, órgãos governamentais/autárquicos e entidades públicas.

O acordo entre as duas empresas surge motivado pela iminente introdução da tecnologia 5G que, por sua vez, abre um “mundo” de possibilidades nos campos da mobilidade, ambiente, energia, comunicações, água e resíduos. O objetivo é criar centros de comando da cidade, que funcionam como um sistema operativo do ecossistema urbano, integrando todos estes domínios.

O acordo, anunciado esta terça-feira, junta o conhecimento estratégico e operacional da Deloitte em processos de transformação digital de cidades com a rede de parcerias tecnológicas e de telecomunicações da NOS.

O grande objetivo desta parceria visa acelerar a estratégia nacional de cidades inteligentes, através da coordenação de esforços de entidades privadas, órgãos governamentais, autárquicos e entidades públicas.

Segundo Manuel Ramalho Eanes, Administrador Executivo da NOS, sublinha que “a NOS tem uma perspetiva abrangente da tecnologia 5G e quer pô-la ao serviço das empresas, das instituições públicas e dos cidadãos. Nesse contexto, o desenvolvimento desta parceria virá contribuir para demonstrar as nossas soluções, produtos e o valor em casos que, em conjunto com os municípios e entidades públicas, podemos trazer a Portugal”.

Já o líder global da prática de Smart City, Smart Government & Local Government da Deloitte, Miguel Eiras Antunes afirma que “O número de cidades e, até de países, que implementaram ou estão a avançar com planos integrados para cidades inteligentes aumentou drasticamente nos últimos anos, estando a Deloitte envolvida em mais de uma centena de projetos de transformação digital de cidades em todo o mundo. Portugal não é uma exceção. É preciso apostar numa estratégia nacional e numa forte coordenação intermunicipal”.

Recomendadas

PremiumFirmas multidisciplinares dividem advogados

PS prepara anteprojeto de lei para reorganizar as ordens, abrindo caminho à criação de sociedades compostas por advogados e outros profissionais. Bastonário é contra, mas a classe está dividida.

A modernização “inevitável” de um setor tradicional como o da advocacia

Mesmo antes da aceleração que a pandemia promoveu, as sociedades de advogados de maior renome viviam já um processo de transição digital que facilitou a adaptação à advocacia remota.

O que dizem os advogados sobre a inovação na hora de servir o cliente

Líderes e responsáveis de inovação dos principais escritórios de advocacia em Portugal falam em compatibilidade entre deontologia e tecnologia, mas alertam para a necessidade de uma “sensabilidade acrescida” ou até de criação de comités para garantir o cumprimento dos deveres da profissão.
Comentários