Onde é mais barato pagar a um jogador de futebol?

As obrigações fiscais podem ser determinantes para o futuro de muitas estrelas. Se se confirmar que o salário líquido da mais recente estrela do Paris Saint-Germain, Neymar, rondar os 35 milhões de euros por ano, clube vai precisar de desembolsar 99,54 milhões de euros por ano para pagar ao brasileiro.

A fórmula mais usada pelos futebolistas para negociar os seus emolumentos é o rendimento líquido, de acordo com um relatório da auditora internacional KPMG, a que o jornal Expansión teve acesso, mas o dinheiro que o jogador leva para casa é muito menos do que o que custa ao clube.

Assim, um jogador que concorda com um salário de um milhão de euros representa uma despesa bruta para um clube na liga turca de 1,19 milhões ou 1,78 para uma equipa chinesa, enquanto que para uma equipa francesa o custo aumentaria para 2,74 milhões.

Os custos em Espanha (1,91) e Alemanha (1,90) seriam semelhantes, enquanto na Itália chegariam aos 1,97 milhões, 2,12 na Inglaterra ou 2,45 milhões em Portugal.

As diferenças são ainda maiores quando um jogador tem um salário bastante mais volumoso. O estudo diz que, para um salário líquido de cinco milhões de euros, o valor bruto quase duplicaria. Enquanto uma equipa turca deveria pagar 5,9 milhões, um clube chinês custaria 9,06 milhões, 9,51 para um alemão, 9,60 para espanhol, 9,86 para a Itália, 10,71 em Inglaterra ou 12,48 em Portugal. Na Liga Francesa, nova casa do Neymar, um salário líquido de cinco milhões de euros representa na realidade 14,22 milhões para o clube.

O presidente da UEFA, Aleksander Ceferin, admitiu que vai estudar a implementação de bonificações salariais. Os especialistas da KPMG defendem a harmonização dos impostos, mas parece uma utopia.

Recomendadas

SAD do Benfica com lucro de 8,2 milhões no primeiro semestre da temporada

O resultado operacional, que inclui transferências de jogadores, é de 12,8 milhões de euros positivo, para os quais contribuiu a transferência de Ruben Dias para o Manchester City, por 68 milhões de euros.

“Não há espaço para questões emocionais” na negociação dos direitos televisivos, avisa especialista em marketing desportivo

Daniel Sá defende que em Portugal deve existir um conjunto de critérios objetivos para uma distribuição justa dos valores envolvidos na negociação. “Podemos ir beber várias das experiências que já existem e encontrar o modelo certo para nós”, refere.

Fórmula 1 fecha 2020 com perdas de 444 milhões e queda de 43% nas receitas

As receitas da Fórmula 1 caíram 43% no ano fiscal encerrado a 31 de dezembro de 2020, em comparação com o de 2019. Há um ano, a empresa recebeu dois mil milhões de dólares (1,6 mil milhões de euros).
Comentários