Ordem dos Engenheiros repudia declarações de Abel Mateus

Instituição liderada por Mineiro Aires defende António Costa Silva e o papel dos engenheiros no desenvolvimento da sociedade portuguesa.

Bastonário da Ordem dos Engenheiros, Carlos Mineiro Aires | Foto cedida

A Ordem dos Engenheiros tomou ontem, dia 25 de setembro, uma posição pública a repudiar as declarações do economista Abel Mateus em relação à capacidade dos engenheiros, publicadas na edição, também de ontem, do ‘Jornal de Negócios’.

“A Ordem dos Engenheiros lamenta e considera perfeitamente inaceitáveis e ofensivas as declarações proferidas
pelo professor e economista Abel Mateus, hoje publicadas no ‘Jornal de Negócios’, em relação à capacidade de um
engenheiro para elaborar um plano estratégico”, sublinha um comunicado da instituição liderada por Mineiro Aires.

De acordo com esse comunicado, a declaração de Abel Mateus, ‘Não se pede a um engenheiro um plano estratégico’ é “uma afirmação infeliz, que peca por desconhecimento, pois o documento a que se refere não se trata de um plano, mas sim de uma visão estratégica, o que são coisas substancialmente diferentes, porquanto um plano requer uma estratégia, uma calendarização e financiamento, o que compete agora ao Governo fazer, obviamente e uma vez mais com a participação de engenheiros”.

“Assim, o documento intitulado ‘Visão Estratégica para o Plano de Recuperação Económica de Portugal 2020-
2030’, elaborado a pedido do Governo, não é, nem nunca pretendeu ser, um plano estratégico.
Estratégias e planeamento são apanágios dos engenheiros e estão à vista os resultados dos casos em que políticas
desta natureza foram conduzidas por não engenheiros, onde as exceções confirmam a regra.
Não contente com estas considerações, e depois de discorrer, durante a entrevista ao ‘Jornal de Negócios’, sobre
assuntos basicamente ligados à engenharia, ainda afirma que “a prova disso, é que se vai buscar uma pessoa
estranha, que infelizmente nem é economista””, prossegue, em tom crítico, o comunicado da Ordem dos Engenheiros.

Esta nota acrescenta que, “sem entrar no mesmo nível de apreciação sobre formações e competências académicas, o que revelou a estrutura mental do seu autor, preferimos ser didáticos: ainda bem que foi um engenheiro, porque o nosso pensamento e postura estão muito mais estruturados e abertos para trabalhar em equipa e estamos obrigados a posturas de ética e respeito deontológico”.

“O engenheiro em causa é o professor doutor António Costa Silva, professor no IST [Instituto Superior Técnico], membro de prestígio da Ordem dos Engenheiros, com uma longa e reconhecida carreira nacional e internacional como engenheiro e gestor, um homem da cultura, que compilou a sua visão sobre as oportunidades que se podem abrir ao país. Um engenheiro conhecedor, mas suficientemente humilde para ter sabido escutar largas centenas de instituições e partes interessadas, onde se incluíram muitos economistas e a própria Ordem que os representa”, defende o referido comunicado.

A Ordem dos Engenheiros conclui este comunicado assinalando que , “infelizmente, não nos recordamos de posições públicas tomadas, em devida e oportuna altura, pelo senhor professor Abel Mateus em relação a muitas das questões que hoje já domina e critica, sendo que também não conseguimos perceber, na sua entrevista, se algum dos 1.153 contributos que foram enviados ao engenheiro António Costa Silva, em sede de consulta pública, é de sua autoria”.

Ler mais

Recomendadas

Empresas vão de emitir credencial para trabalhadores se deslocarem

O primeiro-ministro anunciou hoje novas medidas para endurecer o atual confinamento geral. Ao mesmo tempo, as grandes empresas têm 48 horas para comunicar quem são os trabalhadores dispensados de teletrabalho.

Deco alerta para “abusos” na cobrança da taxa de entrega de garrafas de gás

Pela segunda vez, em menos de um ano, o Governo volta a fixar preços máximos para o gás engarrafado, mas “há que ter atenção a abusos na cobrança da taxa de entrega”, alerta a Associação Portuguesa para a Defesa do Consumidor (Deco). Associação revela que alguns distribuidores passaram a cobrar montantes superiores a quatro euros para entregar as garrafas em casa dos consumidores confinados.

Circulação entre concelhos proibida ao fim de semana. Lojas fecham às 20h durante a semana e às 13h ao sábado e domingo

António Costa anunciou hoje as medidas aprovadas pelo Governo para endurecer o atual Estado de Emergência.
Comentários