Dívidas à Segurança Social podem agora ser repartidas em seis prestações

O requerimento de adesão a este regime é feito por via eletrónica na Segurança Social Direta.

Entrou em vigor a 8 de abril um regime excecional de pagamento faseado de dívidas de contribuições à segurança social que não se encontrem em fase de processo executivo.

Com esta medida permite-se que a regularização de dívida de contribuições e quotizações das entidades empregadoras, dos trabalhadores independentes e das entidades contratantes, cujo prazo legal de pagamento termine até ao final deste ano

Quem pode beneficiar?

As entidades contribuintes que tenham dívidas de contribuições, quotizações ou juros de mora relativos a contribuições ou quotizações à segurança social podem requerer o respetivo pagamento em prestações nas seguintes condições:

a) Se a dívida a regularizar não se encontrar em fase de cobrança coerciva ou integrada num dos mecanismos de regularização de dívida identificados na legislação;

b) O acordo abranja a totalidade da dívida de contribuições ou quotizações não referida na alínea anterior, incluindo dívida de contribuições resultantes do apuramento como entidade contratante e de juros de mora vencidos e vincendos.

Onde se pode requerer?

O requerimento de adesão a este regime é feito por via eletrónica na Segurança Social Direta.

Qual é o prazo?

A análise e decisão sobre o requerimento são operadas automaticamente, com recurso a notificações eletrónicas, sem prejuízo de posterior alteração por força do apuramento total da dívida.

Se no prazo de 30 dias não houver decisão, haverá deferimento do requerimento.

Plano prestacional

O pagamento da dívida pode ser autorizado, no máximo em 6 prestações mensais, podendo ser alargado até 12 meses quando o valor total da dívida abrangida pelo acordo seja superior a 3.060 euros, para pessoas singulares ou 15.300 euros para pessoas coletivas.

Quando pagar

A partir da notificação do plano, as prestações vencem-se mensalmente, devendo ser pagas até ao último dia do mês a que respeitem.

Situação contributiva

A situação contributiva considera-se regularizada após o pagamento da primeira prestação e enquanto estiver a ser cumprido o plano.

Informe-se connosco.

Conte com o apoio do Gabinete de Proteção Financeira da DECO. Retomámos o atendimento presencial. Pode agendar a sua consulta através dos contactos: 213 710 238 / 22 339 19 ou email: gas@deco.pt ou gas.norte@deco.pt. É também possível agendar atendimento via skype. Siga-nos nas páginas de Facebook, Twitter, Instagram e Linkedin.

Ler mais

Recomendadas

Covid-19: Mais de 530 mil pessoas vacinadas na região Centro

João Paulo Rebelo falava no âmbito de uma visita que realizou aos concelhos do Fundão e da Covilhã, no distrito de Castelo Branco, e que também contou com a presença do secretário de Estado Adjunto e da Saúde, António Lacerda Sales, e da secretária de Estado para a Integração e as Migrações, Cláudia Pereira.

“Governo beneficia casinos mas esquece os trabalhadores”, diz federação intersindical

A Federação intersindical do setor do turismo exige medidas de apoio aos trabalhadores dos casinos, depois do Executivo ter decidido isentar estes estabelecimentos do pagamento do imposto de jogo e prolongado as concessões dos casinos de Lisboa, Estoril e Figueira da Foz, que terminaram a 31 de dezembro de 2020. FESAHT acusa o Governo: “aos patrões do jogo dá tudo, tudo, aos trabalhadores dá nada, nada”.

EUA: Produção industrial sobe pelo segundo mês seguido, apesar de constrangimentos no sector automóvel

A indústria norte-americana beneficiou com a reabertura de várias fábricas dos estados do sul afetados pela tempestade de fevereiro, mas a indústria automóvel penalizou o resultado final, com uma queda de 4,3% na produção a refletir as dificuldades causadas pelos atrasos no fornecimento de chips.
Comentários