Payper afirma que portugueses podem poupar 645 milhões por ano em energia

A aplicação, que foi considerada uma das cinco mais promissoras em Portugal, afirma que caso mais portugueses comparassem tarifários de energia e alterassem para o mais apropriado a poupança global poderia chegar aos 645 milhões de euros, depois dos seus utilizadores terem verificado reduções de 163 euros por ano, em média.

Christian Charisius/Reuters

O Payper, aplicação e plataforma online que permite a comparação de preços nos mercados da energia, gás e telecomunicações, afirma que, no último ano, as poupanças geradas pelos seus utilizadores foram, em média, de 163 euros ao ano, o que resulta num possível aforro de 645 milhões ao ano em termos globais, como salienta a nota de imprensa da companhia que apresentou estes dados.

A aplicação, que foi considerada uma das cinco mais promissoras em Portugal no ano de 2020, destaca que, num ano, conseguiu gerar poupanças de 849 mil euros em 96.500 utilizadores.

“Se existem atualmente, segundo a DGEG, cerca de 5,5 milhões de clientes residenciais domésticos em Portugal e se considerarmos que cerca de 72% destes utilizadores não mudaram de comercializador nos últimos anos, e considerando uma poupança média de €163 anuais por utilizador, atualmente as famílias portugueses podem poupar cerca de €645 milhões todos os anos, se optarem por mudar para um comercializador de eletricidade ou gás, com melhores condições para o seu tipo de consumo”, explica Nuno Costa, analista de dados do Payper.

A empresa refere ainda que 52% dos seus utilizadores são da EDP Comercial, 14% da Galp, 8% da Endesa e 6% da Iberdrola, com 11% a encontrarem-se ainda no mercado regulado. Além disso, o Payper levou também 29% dos seus utilizadores a reduzirem a potência elétrica contratada em casa, o que representou 41 euros de poupança anual média.

Recomendadas

O Papel do COO na reinvenção das empresas

Dada a escala e velocidade da mudança no ano passado, muito precisa de acontecer agora em termos de integração, segurança e gestão. E o Chief Operating Officer tem um papel essencial a desempenhar aqui.

Carlos Ribas: “Não fosse esta situação dos componentes e este ano seria o melhor de sempre em vendas da Bosch em Braga”

Bosch fechou 2020 com uma quebra homóloga de 10%, para 1,6 mil milhões de euros, nas vendas em Portugal. Em entrevista ao Jornal Económico o representante do grupo alemão em Portugal, Carlos Ribas, justifica o decréscimo com o impacto da pandemia nas operações, sobretudo na divisão automóvel em Braga.

Startup inspira-se num dos maiores IPO da Europa para expandir mercado dos cacifos inteligentes

A empresa portuguesa Bloq.it prepara-se para fechar este mês uma ronda de investimento ‘seed’ de 550 mil euros, disse ao Jornal Económico o cofundador João Lopes. Mais do que guardar malas, os cacifos que se abrem com QR code são uma mais-valia para o negócio das entregas.
Comentários