Preços no consumidor decrescem 0,1% em setembro, estima o INE

“Estima-se uma variação média nos últimos doze meses de 0,1%, valor igual ao registado no mês precedente”, indica o INE.

A taxa de variação homóloga do índice de preços no consumidor (IPC) terá decrescido 0,1% em setembro, o que corresponde a um agravamento de 0,1 pontos percentuais face à taxa registada em agosto, de acordo com uma estimativa rápida do Instituto Nacional de Estatística, publicada esta quarta-feira.

O IPC de agosto registou uma variação de 1%, enquanto a variação mensal tinha sido de -0,3%. Já em termos homólogos, a variação de setembro de 2019 fora de 1,1%. “Estima-se uma variação média nos últimos doze meses de 0,1%, valor igual ao registado no mês precedente”, indica o INE.

A variação do indicador de inflação subjacente – que exclui do índice total produtos alimentares não transformados e energéticos – é estimada pelo gabinete de estatística nacional em -0,1%, em setembro, um “valor idêntico ao registado no mês anterior”.

Já a taxa de variação homóloga do índice relativo aos produtos energéticos terá sido -5,5%, o que corresponde a um agravamento de 0,6 pontos percentuais face ao registado em agosto (-4,9%).

A variação homóloga do índice harmonizado de preços no consumidor (IHPC) português foi estimada em -0,7% .

Recomendadas

Turismo mundial regista baixa de 70% entre janeiro e agosto, diz OMT

Os meses de verão, habitualmente a época mais forte no hemisfério norte, foram catastróficos: -81% de turistas em julho e -79% em agosto, precisou esta agência das Nações Unidas com sede em Madrid.

Bruxelas disponibiliza 200 milhões a Portugal para financiar infraestruturas de cuidados a idosos

Os fundos serão canalizados para entidades do setor terciário que já prestam serviços a idosos em Portugal, em especial nos domínios da saúde, alojamento e apoio social.

“É muito importante iniciarmos uma reforma no funcionamento da máquina do Estado”, defende Artur Santos Silva

O presidente honorário do conselho de administração do Banco BPI defende que Portugal tem de aproveitar a ‘bazuca’ dos fundos europeus para fazer reformas na organização e gestão do setor público, quer no estado central quer no local. Artur Santos Silva defende a importância de uma reforma no funcionamento da máquina central do Estado que, diz, deve ser “mais eficiente”. Uma estratégia que exemplifica como umas políticas que não estão refletidas na proposta do OE2021 à semelhança dos estímulos ao investimento privado.
Comentários