Descentralização não deve ser vista como “substituto da regionalização”, defende presidente da CCDR Norte

Fernando Freire de Sousa considera que o debate à regionalização deve “ser sério e não assentar em clichés”, devendo cumprir-se o que está escrito na Constituição da República há 40 anos.

O presidente da Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Norte (CCDR-N), Fernando Freire de Sousa, considera que a descentralização não pode ser vista como um substituto à regionalização. Fernando Freire de Sousa considera que o debate à regionalização deve “ser sério” e “não assentar em clichés”, devendo cumprir-se o que está escrito na Constituição há 40 anos.

“A regionalização é um tema que deve ser colocado na ordem do dia”, afirma o presidente da CCDR-N, ao Jornal Económico. “A descentralização é desejável, mas deve ser entendida não como um substituto à regionalização, que é um processo diferente. A descentralização, cujo processo já está em curso, tem de ser complementada com a regionalização”.

Freire de Sousa diz que, até ao momento, os 86 municípios que representa ainda não se reuniram para debater a questão da regionalização. “É ainda prematuro que se discuta a regionalização. É preciso que haja entendimentos entre os partidos com maior expressão no Parlamento nas próximas eleições”, indica, salientando que o Presidente da República “também terá uma palavra a dizer”.

O líder da CCDR-N considera que a regionalização é hoje um processo “mais necessário do que nunca”, tendo em conta que mexe com a eficiência e a competitividade do país. “A região Norte é a mais dinâmica e a mais pobre ao mesmo tempo. É preciso encontrar respostas para este paradoxo e tal pode ser conseguido através da regionalização”, exemplifica.

No primeiro referendo à regionalização, realizado em novembro de 1998 e que proponha a constituição de oito governos regionais, a “divisão” do país foi chumbada com 63,5% dos votos contra. O Alentejo foi a única região que deu vitória à criação de regiões administrativas. Nesse referendo, a abstenção chegou aos 51,8% e apenas na Beira Interior e Estremadura e Ribatejo a percentagem de eleitores a votar foi superior àqueles que se abstiveram.

A questão dos mapas, aliada à confusão e à falta de esclarecimento da campanha, foi um dos motivos que esteve na origem do chumbo à regionalização. Fernando Freire de Sousa considera que, em vez de se dividir o país em oito regiões, o Governo deveria propor um novo desenho regional coincidente com as cinco regiões-plano que coincidem com as áreas das CCDR (Norte, Centro, Lisboa e Vale do Tejo, Alentejo e Algarve).

“Os mapas que devem ser referendados são uma questão que não deveria estar em discussão. Se formos abrir essa caixa de Pandora, teremos o primeiro elemento que fará com que a regionalização caia por terra”, afirma Freire de Sousa. “As CCDR existem há 50 anos, como resultado dos planos de fomento de Marcello Caetano. Este é um assunto resolvido e não deve ceder a interesses mais ou menos partidários”, acrescenta.

Caso a regionalização venha a avançar, Fernando Freire de Sousa antevê que as CCDR passem a ser um “órgão técnico de apoio ao governo regional”. O PCP, na campanha que fez no primeiro referendo, defendeu, no entanto, a ideia de que, com a criação das regiões administrativas, se iria “conferir legitimidade e representatividade democrática ao poder regional”, substituindo-se assim “um poder nomeado, não eleito”, constituído pelas CCDR e outros serviços periféricos da administração central.

Ler mais
Recomendadas

João Ferreira diz que intervenção de Presidente da República quanto aos trabalhadores tem sido “marcada pela indiferença”

Depois da sua reunião com a CGTP, João Ferreira apontou que a intervenção adequada tem de ter  “a valorização do trabalho e dos trabalhadores no cerne das preocupações e da intervenção do Presidente da República”.

Ex-ministro da Saúde defende que é preciso “agir depressa” em relação a testes rápidos

“Eu creio que, neste momento, é preciso nesse domínio ser ágil e agir depressa”, defendeu Adalberto Campos Fernandes, que foi ministro da Saúde entre 2015 e 2018.
Inês de Medeiros

Inês de Medeiros diz que declarações sobre bairro social foram descontextualizadas

A presidente da Câmara de Almada disse hoje que as suas afirmações sobre o Bairro Amarelo surgiram em resposta a uma pergunta feita pelo Bloco de Esquerda (BE), considerando que foram descontextualizadas devido ao “aproximar das eleições”.
Comentários