PróToiro promete “diálogo civilizado e construtivo” com ministra que “sempre hostilizou o setor tauromáquico”

“Exageros do passado” de Graça Fonseca não foram esquecidos pela Federação Portuguesa de Tauromaquia, igualmente apreensiva com o peso que “partidos de matriz proibicionista” irão ter na Assembleia da República.

Cristina Bernardo

A PróToiro – Federação Portuguesa de Tauromaquia garantiu nesta quinta-feira estar “disponível para iniciar um diálogo civilizado e construtivo com o Ministério da Cultura”, pois apesar da continuidade da ministra Graça Fonseca “que, como se sabe, sempre hostilizou o setor tauromáquico”, os dirigentes dessa entidade dizem acreditar e ter esperança de que “as posições pessoais e institucionais não voltarão a ser confundidas”.

Reagindo à continuidade da tutela do setor tauromáquico no XXII Governo Constitucional, a PróToiro espera que o Executivo liderado por António Costa irá cumprir com “aquilo a que está obrigado constitucionalmente”, ou seja, a “valorização e promoção de todas as formas de Cultura, sem discriminação ou determinismos ideológicos”. Esta é, segundo os dirigentes da PróToiro, uma “demonstração de boa-fé de quem acredita que o Governo e seus representantes são pessoas de bem, apesar dos exageros do passado”.

Prestes a ser reempossada como ministra da Cultura, Graça Fonseca deixou ao longo da última legislatura muito claro o que pensa das touradas. “A tauromaquia não é uma questão de gosto, é uma questão de civilização”, disse a governante, intransigente na redução do IVA para os espetáculos tauromáquicos. Apesar desta posição ser dominante no PS, o primeiro-ministro António Costa chegou a responder a Manuel Alegre, através de uma carta aberta, que embora rejeite a tourada “como manifestação pública de uma cultura de violência ou de desfrute do sofrimento animal” prefere “conceder a cada município a liberdade de permitir ou não a realização de touradas no seu território à sua pura e simples proibição legal”.

Também na mira da Federação Portuguesa de Tauromaquia está a nova composição da Assembleia da República, “da qual se retira a necessidade premente de acordos pontuais para a aprovação de medidas por parte do Governo”. A PróToiro garante que “vai estar também atenta a manobras de bastidores e negociações com partidos de matriz proibicionista, contrários aos valores da Liberdade e da Democracia em que, felizmente, ainda vivemos”.

Na noite eleitoral foi sublinhado pelo dirigente do PAN – Pessoas, Animais, Natureza, André Silva, que a próxima Assembleia da República teria em minoria as “forças conservadoras”, referindo-se ao PSD, CDS e PCP, tradicionalmente os partidos políticos mais ligados ao setor da tauromáquico.

 

Ler mais
Recomendadas

Pedro Cabrita Reis celebra 20 anos em Serralves com estrutura que usa materiais Sonae Arauco

A Sonae Arauco patrocina a exposição de Pedro Cabrita Reis, através da oferta de placas de MDF Hidrófugo, que foram utilizadas e transformadas pelo artista numa estrutura agora exposta até 22 de março de 2020.

Ilhas Faroé estarão “fechadas para manutenção” num fim de semana em 2020

O arquipélago dinamarquês encontrou uma solução para o problema do turismo de massa: fechar o acesso aos visitantes e receber apenas voluntários que participem em projetos de preservação do meio ambiente. A iniciativa, com duração de dois dias, será realizada anualmente.

PremiumQuando Lisboa era um “antro de espiões”

Os Aliados operaram em território português, na Segunda Guerra Mundial, para manterem Portugal (e Espanha) distantes dos nazis. Um esforço, relatado por Mark Simmons em “Operação Ibéria”, que incluiu Salazar, Franco e o banqueiro Ricardo Espírito Santo.
Comentários