PremiumPRR: Ferrovia e estradas com 1,8 mil milhões de euros

As expansões dos Metros de Lisboa e do Porto até Alcântara e às Devesas ganham novo fôlego, com um investimento previsto superior a 600 milhões.

Só para o setor das infraestruturas ferroviárias e rodoviárias, o Governo português vai apresentar a Bruxelas candidaturas a investimentos no valor conjunto de 1.865 milhões de euros no âmbito da última versão do PRR – Plano de Recuperação e Resiliência, da autoria do professor António Costa Silva, a qual foi apresentada publicamente na passada quarta-feira por António Costa.

De acordo com este último draft, que terá sido entregue ontem pelo Executivo português à Comissão Europeia (CE), mantém-se a aposta prioritária na ferrovia, com cinco projetos estruturantes, no valor agregado de investimento de 1.033 milhões de euros, totalmente comparticipado pelos fundos comunitários, para mitigação dos impactos negativos da pandemia.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

Covid-19: Mais de 530 mil pessoas vacinadas na região Centro

João Paulo Rebelo falava no âmbito de uma visita que realizou aos concelhos do Fundão e da Covilhã, no distrito de Castelo Branco, e que também contou com a presença do secretário de Estado Adjunto e da Saúde, António Lacerda Sales, e da secretária de Estado para a Integração e as Migrações, Cláudia Pereira.

“Governo beneficia casinos mas esquece os trabalhadores”, diz federação intersindical

A Federação intersindical do setor do turismo exige medidas de apoio aos trabalhadores dos casinos, depois do Executivo ter decidido isentar estes estabelecimentos do pagamento do imposto de jogo e prolongado as concessões dos casinos de Lisboa, Estoril e Figueira da Foz, que terminaram a 31 de dezembro de 2020. FESAHT acusa o Governo: “aos patrões do jogo dá tudo, tudo, aos trabalhadores dá nada, nada”.

EUA: Produção industrial sobe pelo segundo mês seguido, apesar de constrangimentos no sector automóvel

A indústria norte-americana beneficiou com a reabertura de várias fábricas dos estados do sul afetados pela tempestade de fevereiro, mas a indústria automóvel penalizou o resultado final, com uma queda de 4,3% na produção a refletir as dificuldades causadas pelos atrasos no fornecimento de chips.
Comentários