Queda das ações da Galp pressionam PSI-20 que fecha a cair 1,29%

O vermelho pintou as praças europeias. Na sessão desta terça-feira, o PSI-20 perdeu 1,29% para 4.947,78 pontos, com quinze cotadas a negociar no vermelho e apenas três em terreno positivo.

A praça lisboeta fechou em baixa esta terça-feira, segundo a tendência das congéneres europeias, num dia em que os juros da dívida portuguesa a 10 anos voltam a cair depois de terem atingido máximos de julho do ano passado no mercado secundário.

O PSI-20 perdeu 1,29% para 4.947,78 pontos, com quinze cotadas a negociar no vermelho e apenas três em terreno positivo. As ações da Galp Energia pressionaram particularmente a bolsa portuguesa no fecho da sessão, ao recuarem 3,52% para 9,3060 euros. Ainda no setor energético, a EDP perdeu 1,01% para 4,9810 euros, a EDP Renováveis caiu 0,41% para 19,5700 euros e a REN  deslizou 0,62% para 2,4050 euros.

Na banca, as ações do BCP também pressionaram o PSI, ao caírem 1,72% para 0,1140 euros, mas noutros sectores também a Mota-Engil perdeu 3,32% para 0,1048 euros e a Altri recuou 2,16% para 1,4070 euros. Em contraciclo, os CTT, F. Ramada e Ibersol avançaram 1,71%, 0,71% e 0,33, respetivamente.

O principal índice lisboeta seguiu a tendência das pares europeias, que fecharam no vermelho. O DAX recuou 1,55%, o CAC40 perdeu 2,09%, o IBEX35 caiu 2,89%, enquanto o EuroStx50 caiu 1,98%.

“Após sete semanas consecutivas de ganhos e que levarem índices como o Stoxx 600 e DAX a fixarem ontem novos máximos históricos, o sell off acabou por ser generalizado, ainda que os setores mais cíclicos tenham sentido a maior pressão. O Imobiliário foi exceção”, assinalou Ramiro Loureiro, analista de mercados do Millennium investment banking.

No mercado da dívida soberana, os juros da dívida portuguesa a dez anos cai para 0,393%, depois desta manhã ter subido para 0,415%.

Recomendadas

Geração “millennial” deverá continuar a impulsionar as bolsas nos próximos anos

Nestes últimos anos, uma geração de jovens altamente qualificados e à vontade com as novas tecnologias, conhecidos por pertencerem à geração dos “millennials”, alimentou aquele que é já o maior Bull Market da nossa história.

Tecnológicas pressionam Wall Street. Empresa de software parceira de Trump vê títulos dispararem mais de 1000%

Num dia marcado pela queda de 10% da Intel e de 20% da empresa mãe do Snapchat, a gigante de software que colaborou na campanha eleitoral de Donald Trump, em 2020, vê as suas ações a dispararem mais de 1000% depois das notícias de que a Phunware irá colaborar na criação da rede social de Trump, ‘Truth’.

PremiumPSI-20 em máximos de maio de 2018

O principal índice da bolsa de Lisboa segue impulsionado pela energia, retalho, correios e pasta. Principais praças mundiais perto dos máximos históricos e Dow Jones regista recorde.
Comentários