Reino Unido pondera travar compra de empresa de ‘chips’ pela Nvidia

Segundo a Bloomberg, a intenção da tecnológica norte-americana adquirir aquele negócio da Arm, que é propriedade do grupo japonês SoftBank Group Corp., resulta da sua vontade de se expandir no mercado cada vez mais importante dos semicondutores.

NVIDIA

O governo britânico está a ponderar bloquear a aquisição da empresa de semicondutores (‘chips’) Arm pela norte-americana Nvidia, alegando com potenciais riscos para a segurança nacional, avançou esta terça-feira a agência Bloomberg.

A Autoridade para a Concorrência e os Mercados (CMA, na sigla em Inglês) do Reino Unido tinha lançado no início do ano uma investigação à operação.

Então, a CMA informava que a Nvidia, uma produtora de ‘chips’ baseada nos EUA, pretendia adquirir o ramo Grupo Propriedade Intelectual da britânica Arm, por 40 mil milhões de dólares (34 mil milhões de euros).

A Arm desenvolve e licencia propriedade intelectual e programas informáticos para a conceção de ‘chips’. “Os produtos e serviços fornecidos pela empresa apoiam uma gama vasta de aplicações usadas por empresas e consumidores no Reino Unido, incluindo computadores portáteis, instrumentos móveis, consolas de jogos e sistemas computorizados para automóveis”, especificou a CMA, em comunicado de janeiro.

O chefe executivo da CMA, Andrea Coscelli, considerava então que “a indústria da tecnologia de componentes vale milhares de milhões e é crítica para muitos dos produtos que as pessoas usam no quotidiano”.

Segundo a Bloomberg, a intenção da Nvidia adquirir aquele negócio da Arm, que é propriedade do conglomerado japonês SoftBank Group Corp., resulta da sua vontade de se expandir no mercado cada vez mais importante dos semicondutores.

Na página na internet que a CMA abriu para este processo avança-se que o relatório com a investigação foi entregue ao secretário de Estado para Digital, Cultura, Media e Desporto.

Recomendadas

Autárquicas: Volt diz ser de “mau tom” que PRR seja utilizado para propaganda eleitoral

O líder do Volt Portugal, que participou numa arruada no Porto, considera que a ideia de que os candidatos socialistas possam ser beneficiados na utilização dos fundos do PRR “é inconcebível” e deve fazer Governo e candidatos refletir.

Reatia, a startup de Leiria que juntou algoritmos à venda de casas

“Somos uma startup de Leiria e, por isso, a nossa sede continua a ser, orgulhosamente, nesta cidade”. É desta forma que o empreendedor português Hugo Venâncio, que em 2019 fundou a tecnológica Reatia, começa por explicar ao Jornal Económico (JE) que as raízes da Beira Litoral não se perdem apesar das provas que esta empresa […]

Salário médio dos CEO subiu 1.304% mais do que um trabalhador médio em 40 anos

Só em 2020, os CEOs das 350 maiores empresas dos Estados Unidos ganharam 24,2 milhões de dólares (20,6 milhões de euros), ou 351 vezes o salário do trabalhador médio.
Comentários