“Restauração? Não vamos repor faturação que o setor não teve”, garante Siza Vieira

“Continuaremos a avaliar a situação e a tentar preservar, mas não tenho dúvidas que não vamos chegar a todos e que vão haver situações muito difíceis num conjunto vasto de setores”, admitiu o ministro da Economia, em declarações proferidas na página do Partido Socialista (PS) no Twitter esta quarta-feira.

Cristina Bernardo

O ministro de Estado, da Economia e da Transição Digital, Pedro Siza Vieira, falou sobre os apoios à restauração e admitiu que apesar do esforço do Governo por criar apoios, “não vamos repor a faturação que o setor não teve”, esta quarta-feira, 11 de novembro, em declarações proferidas na página do Partido Socialista (PS) no Twitter esta quarta-feira, dia 11 de novembro.

Quando questionado sobre os apoios para a restauração que remetem para os dois fins de semana com recolher obrigatório, Siza Vieira referiu que o Governo sabe “qual é a faturação do setor no fim de semana e podemos majorar o apoios em função destas medidas”. No entanto, admite: “Não vou enganar ninguém, não vamos repor a faturação que o setor não teve”.

“É tentar compensar os custos fixos e encontrar uma mecânica que seja rápida, que possa ser rapidamente tida no terreno e que reconheça aqui uma situação especifica”, explicou o governante.

Siza Vieira recorda que “na restauração a quebra foi de 70%, portanto significa que há setores da nossa economia que estão a ser especialmente penalizados” e mencionou que “estes apoios que nós estamos a fazer [para a restauração], quando temos uma quebra de faturação nestes nove meses, de cerca de mil e tal milhões de euros, para a restauração estamos a fazer uma coisa que é cerca de 20% desta quebra”.

“Não quero ignorar, a situação é dramática”

“É um apoio que vamos desenvolver, mas não será o único. Continuaremos a avaliar a situação e a tentar preservar, mas não tenho duvidas que não vamos chegar a todos e que vão haver situações muito difíceis num conjunto vasto de setores”, assumiu Siza Vieira.

“Nos primeiros nove meses deste ano, o volume de negócios da restauração, declarado o sistema em fatura, anda à volta dos 4 mil e 400 milhões de euros. No ano passado eram mais de 6 mil milhões de euros. A quebra da procura é de tal ordem que obviamente não pode ser a resposta pública que compensa isso”, disse o ministro da Economia reforçando que “este setor vai ter mesmo uma grande dificuldade”.

Quanto ao número de empresas nesta área a fechar, que segundo AHRESP é de 41%, o governante frisou que “esse mesmo inquérito em julho dizia que 43% das empresas dizia que na ausência de apoios suplementares iria ter de fechar ou ter de apresentar insolvência”. “A percentagem está mais ou menos estável, o que significa resiliência das empresas deste setor e significa também alguma eficácia dos apoios”.

“Não quero ignorar, a situação é dramática”, assegurou Siza Vieira revelando ter conhecimento de “vários empresários do setor da restauração que já estão a usar as suas economias pessoais para aguentar a sua empresa”.

 

 

 

 

 

Relacionadas

Banco de Fomento não será investidor mas fará empréstimos convertíveis em capital, realça Siza Vieira

“O banco não será um investidor em capital, não é função de uma sociedade financeira fazê-lo”, explicou o ministro da Economia em declarações proferidas na página do Partido Socialista (PS) no Twitter esta quarta-feira. O governante admite empréstimos convertíveis em capital.

Siza Vieira acredita ser preciso reduzir dependência do turismo no Algarve

Além da redução da importância do turismo e das ações de formação que estão a ser preparadas com o ministério do Trabalho, Siza Vieira destacou o papel das autarquias e garantiu, que neste contexto, o governo vai lançar um pacote onde as empresas vão beneficiar de compensações a fundo perdido.

Siza Vieira estima apoios às empresas em 20 mil milhões de euros mas admite “esforço adicional” do Governo

“Desde o primeiro momento tive uma grande preocupação de assegurar que chegava liquidez à economia”, referiu Siza Vieira que admite ser necessário “fazer esforço adicional” no que toca aos apoios às micro e pequenas empresas”.
Recomendadas

Novo Banco: BCE impõe que injeções do Fundo de Resolução só sejam contabilizadas após pagamento

O banco explicita que essa imposição “aplica-se do quarto trimestre de 2021 em diante” e que se esta imposição estivesse já em vigor em setembro de 2021 o seu rácio de capital de fundos próprios principais de nível 1 (CET1) teria sido de 10,62%, o rácio tier 1 de 10,63% e o rácio de solvabilidade de 12,52%.

Governo anuncia recrutamento de 200 trabalhadores para reforçar Autoridade Tributária

Autorização foi dada esta semana pelo ministro das Finanças. João Leão, e revelada esta terça-feira, pelo secretário de Estado Adjunto e dos Assuntos Fiscais, António Mendonça Mendes.

Rob McCargow: “A literacia digital passou a ser obrigatória nas administrações”

O diretor de Inteligência Artificial da consultora PwC United Kingdom defende que as empresas têm um papel a desempenhar no enquadramento do desenvolvimento da inteligência artificial, em vez de ficarem à espera de governos e reguladores, mas que os decisores têm de ter maior conhecimento sobre tecnologia.
Comentários