PremiumSubida das ‘yields’ preocupa, mas não deve travar as ações

Mexidas nas ‘yields’ soberanas vão provocar mais volatilidade nas bolsas, mas as causas são ‘benignas’ e não devem impedir valorizações das ações, com sectores cíclicos e de ‘valor’ a brilharem. Por cá, PSI 20 depende muito dos ventos do Grupo EDP.

There is No Alternative (TINA). O slogan usado por Margaret Thatcher para defender a economia de mercado neoliberal aplica-se, décadas mais tarde, ao papel do mercado de ações no panorama atual das soluções de investimento e procura por retornos.

“O fator TINA pautou os mercados nos últimos 12 meses, e foi um vento favorável para a vertente acionista, face à quantidade de moeda emitida pelos bancos centrais e à descida das taxas de juro”, afirmou Paulo Rosa, economista sénior do Banco Carregosa.

No entanto, “esse fator começou a ter nos últimos dois meses alguma ‘concorrência’ das obrigações do tesouro, sobretudo nos Estados Unidos, que já oferecem uma rentabilidade relativamente atrativa, mais baixa, é certo, do que a média dos dividend yield, mas com um risco menor”, adiantou.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

PremiumAlguns socialistas, os líderes da direita e Paulo Portas

Historiadora Maria de Fátima Bonifácio fará um mini ensaio sobre a relação dos portugueses com o Estado ao longo da História, até à ‘era Salazar’.

PremiumBrasil e Índia estão a enfrentar o pior da pandemia

Dois países distantes um do outro, mas que convergem em termos de várias caraterísticas endógenas às suas sociedades, são os epicentros dos piores dias da catástrofe sanitária que assola o mundo. Com cada um deles a tentar desenvencilhar-se das suas próprias incapacidades e a ajuda internacional a não poder chegar a todo o lado, a única estratégia parece ser esperar que o pior passe. E, como não podia deixar de ser, o pior da alma humana já está em campo.

PremiumConstança baixa a guarda na ‘polémica Cravinho’

Manuel Alegre, à frente de outras reações no PS, remeteram a vice-presidente da bancada parlamentar ao silêncio. Mas insiste em que o partido não abandonou o combate à corrupção nos anos de Sócrates.
Comentários