Teixeira Duarte apresenta lucro de 7,1 milhões de euros até setembro

Este resultado compara com as perdas de 11 milhões de euros registados em igual período de 2017.

A construtora Teixeira Duarte registou um resultado líquido de cerca de 7,1 milhões de euros nos primeiros nove meses do ano, segundo os dados do terceiro trimestre comunicados pelo grupo à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários, esta sexta-feira. Este resultado compara com as perdas de 11 milhões de euros registados em igual período de 2017.

O EBITDA – lucros antes de juros, impostos, depreciações e amortizações caiu de 10,4%, para 110,1 milhões de euros, face a setembro de 2017. Já a margem do EBITDA cresceu 0,07 pontos percentuais no terceiro trimestre de 2018. De 16,6% em setembro de 2016 para 17,3% no fim do terceiro trimestre.

No documento entregue à CMVM, o grupo explica que nos primeiros nove meses deste ano a evolução do EBITDA foi influenciada por aspetos como a alienação da Lagoas Park. Os ganhos de cerca de 25 milhões de euros, diferenças de câmbio operacionais, que em 2018 tiveram um impacto positivo no montante de 14,7 milhões de euros, e custos operacionais não recorrentes de 15 milhões de euros, nomeadamente decorrentes de imparidades de ativos a receber, também contribuíram.

O volume de negócios da empresa atingiu 635,5 milhões de euros, refletindo uma diminuição 14% face a Setembro de 2017, o que corresponde a uma quebra de 103,7 milhões de euros.

 

 

Ler mais

Recomendadas

Receita fiscal sobe para 47.408 milhões de euros

Em ano de excedente orçamental, o Governo espera receber mais 1.276 milhões de euros do que em 2019. As receitas do IVA continuam a representar a principal fatia dos 26.878 milhões de euros estimados para os impostos indirectos.

Orçamento com poucas alterações

Para as famílias portuguesas, e em matéria de IRS, a Proposta de Lei do OE 2020 não contempla alterações com um impacto significativo.

Jaime Esteves: “Dedução fiscal para jovens que saem de casa dos pais tem impacto pequeno”

O fiscalista Jaime Esteves defende que o agravamento sucessivo da tributação do alojamento local é um dos problemas da política fiscal e que Portugal pode matar a ‘galinha dos ovos de ouro’ da recuperação económica.
Comentários