Vieira da Silva: sustentabilidade da segurança social em risco dentro de 13 anos

O mais recente Relatório de Sustentabilidade da Segurança Social revê o prazo que era anteriormente previsto e que apontava para um desequilíbrio já em 2020.

O ministro do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social acredita que a sustentabilidade do sistema de segurança social pode entrar em défice daqui a apenas 13 anos. Em entrevista à RTP 3, que assinalou o Dia Mundial da Segurança Social, José António Vieira da Silva falou do futuro do sistema e do Relatório de Sustentabilidade a Segurança Social.

“Todos os anos é elaborado um relatório de sustentabilidade e esse relatório aponta para que, se nada for feito, pode haver uma situação de desequilíbrio”, explicou o ministro. “Neste momento as simulações que têm sido feita apontam para que, mais próximo da década de 2030, possa existir uma situação de maior dificuldade na Segurança Social”.

O prazo significa uma extensão face à anterior data. O anterior relatório referia que a situação de desequilíbrio poderia chegar já em 2020. “Isto não é a rutura da Segurança Social”, disse Vieira da Silva, lembrando que existe uma “almofada de segurança”, que cobre mais de um ano de pensões. O ministro ressalvou ainda que o problema poderá ser resolvido através da criação de emprego.

“Se nos próximos anos conseguirmos recuperar para uma atividade produtiva e contributiva”, será dado um “impulso relevante para a melhoria da Segurança Social”, realçou, em entrevista à RTP 3. “Estamos a viver um bom momento e nada aponta para que haja uma inversão na recuperação de emprego. Mas obviamente que o país vive ainda momentos difíceis”.

Recomendadas

Bancos têm até hoje para enviar ao regulador planos de prevenção do branqueamento de capitais

Os bancos têm até hoje para enviarem ao Banco de Portugal os planos de financiamento e os relatórios de prevenção do branqueamento de capitais e financiamento do terrorismo, depois dos prolongamentos dos prazos devido à covid-19. Numa situação normal, estes relatórios já deveriam ter sido enviados pelos bancos, mas o regulador e supervisor bancário anunciou a prorrogação dos prazos em abril, considerando que é de “particular importância” a qualidade da informação financeira e prudencial no atual contexto económico. O Banco de Portugal prolongou ainda, para 12 de junho, o reporte de informação financeira em base individual e o reporte de informação para fins de supervisão aplicável às sociedades financeiras, assim como a informação sobre empresas incluídas no perímetro de consolidação e sobre a evolução da carteira de crédito.

Proprietários tem até hoje para pagar primeira fase ou a totalidade do IMI

Os quase quatro milhões de contribuintes que receberam uma nota de liquidação do Imposto Municipal sobre Imóveis (IMI) têm até hoje para efetuar o pagamento da primeira prestação ou da totalidade do imposto.

Portugal “entalado” entre dívida e União Europeia

João Duque refere que ajudas às empresas têm de ser “estritamente para acudir à Covid”, enquanto a CIP defende que “não é com moratórias ou com o aumento do endividamento que se resolve o problema”.
Comentários