Vieira da Silva: sustentabilidade da segurança social em risco dentro de 13 anos

O mais recente Relatório de Sustentabilidade da Segurança Social revê o prazo que era anteriormente previsto e que apontava para um desequilíbrio já em 2020.

O ministro do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social acredita que a sustentabilidade do sistema de segurança social pode entrar em défice daqui a apenas 13 anos. Em entrevista à RTP 3, que assinalou o Dia Mundial da Segurança Social, José António Vieira da Silva falou do futuro do sistema e do Relatório de Sustentabilidade a Segurança Social.

“Todos os anos é elaborado um relatório de sustentabilidade e esse relatório aponta para que, se nada for feito, pode haver uma situação de desequilíbrio”, explicou o ministro. “Neste momento as simulações que têm sido feita apontam para que, mais próximo da década de 2030, possa existir uma situação de maior dificuldade na Segurança Social”.

O prazo significa uma extensão face à anterior data. O anterior relatório referia que a situação de desequilíbrio poderia chegar já em 2020. “Isto não é a rutura da Segurança Social”, disse Vieira da Silva, lembrando que existe uma “almofada de segurança”, que cobre mais de um ano de pensões. O ministro ressalvou ainda que o problema poderá ser resolvido através da criação de emprego.

“Se nos próximos anos conseguirmos recuperar para uma atividade produtiva e contributiva”, será dado um “impulso relevante para a melhoria da Segurança Social”, realçou, em entrevista à RTP 3. “Estamos a viver um bom momento e nada aponta para que haja uma inversão na recuperação de emprego. Mas obviamente que o país vive ainda momentos difíceis”.

Recomendadas

Os cinco problemas da economia angolana aos olhos do FMI

O Fundo Monetário Internacional aprovou a segunda tranche de financiamento para Angola no valor de 248,15 milhões de dólares, mas identificou cinco desafios que as autoridades angolanas devem fazer de tudo para ultrapassar, entre os quais a diversificação económica.

Governo estima atribuir 156 mil novas pensões este ano

Os dados foram avançados por Mário Centeno na Comissão do Trabalho e da Segurança Social, em resposta a críticas dos deputados sobre atrasos na atribuição de pensões.

“Sem fundo de garantia de depósitos comum, união bancária é insuficiente”, afirma economista-chefe do FMI

Gita Ginopath, economista-chefe do Fundo Monetário Internacional, disse que o “próximo passo” para o reforço da união bancária passa pela construção do fundo de garantia de depósitos comum, elemento fundamental para o futuro da União Económica e Monetária. E, para a união dos mercados de capitais, defendeu a construção de “instituição central para instituições não financeiras”.
Comentários