AEP apresentou ao Governo projeto para um hospital de campanha

A unidade vai permitir acomodar enfermarias de pressão negativa, adequadas ao tratamento de infetados com a Covid-19, refere a associação, que já apresentou o projeto ao Ministério da Saúde.

A AEP – Associação Empresarial de Portugal e a Ordem dos Médicos apresentaram ao Ministério da Saúde, no âmbito da iniciativa ‘SOS – Coronavírus’, um projeto para um hospital de campanha (hospital SOS-Coronavírus AEP/OM), “que a ser construído será único no país por permitir acomodar enfermarias de pressão negativa, adequadas ao tratamento de infetados com a Covid-19”, refere a associação em comunicado.

O protocolo celebrado entre a AEP e a Ordem dos Médicos, no âmbito projeto “tem como um dos objetivos identificar necessidades e avaliar as prioridades na aplicação dos recursos financeiros, infraestruturais, materiais e humanos que o projeto necessite”.

O projeto para o hospital de campanha, da autoria do arquiteto Ricardo Oliveira, do gabinete RSO, pretende dar resposta aos desafios que a sociedade portuguesa enfrenta.

Para o presidente da AEP, Luís Miguel Ribeiro, “a grave situação que Portugal está a viver fez com que a AEP celebrasse um protocolo com a Ordem dos Médicos, no sentido de identificar os recursos necessários para minorar os impactos causados pela pandemia do novo Coronavírus em Portugal”. Neste âmbito, a AEP “assegura a identificação e a coordenação das empresas que possam associar-se e apoiar este projeto que deverá ser liderado pelas autoridades de Saúde e pela Ordem dos Médicos”, refere o comunicado.

O bastonário da Ordem dos Médicos explica que “a ideia é que o hospital seja modular, isto é, que veja a sua capacidade aumentar em função das necessidades da pandemia. Na primeira fase de arranque seriam disponibilizadas 48 camas, podendo o número ser alargado sucessivamente até às 624 camas”.

Miguel Guimarães destaca que “uma particularidade deste projeto, em relação aos hospitais de campanha já conhecidos, e que fará toda a diferença, é que todos os doentes serão tratados em enfermarias de pressão negativa e com acesso a equipamentos que permitem dar resposta a casos com alguma complexidade”.

Nos espaços com pressão negativa, o sistema de ventilação faz uma renovação do ar permanente e a pressão é mais baixa do que nas restantes instalações, o que evita que o vírus saia e contamine mais pessoas, sendo também benéfico em termos de recuperação pulmonar.

A campanha ‘SOS – Coronavírus’, uma iniciativa da AEP que teve início no dia 13 de março, tem também como objetivo “a angariação de fundos, cujos montantes serão atribuídos atendendo às necessidades existentes no País, num processo articulado com a Ordem dos Médicos, no âmbito do protocolo celebrado”. Segundo o comunicado, a campanha conta já com os apoios do Banco Montepio, BPI, Caixa de Crédito Agrícola, Caixa Geral de Depósitos, EuroBic, Millennium bcp e Santander.

Ler mais
Recomendadas

Infografia | Lisboa e Vale do Tejo a ‘vermelho’. Concelhos de Lisboa e Sintra somam 77 infetados nas últimas 24 horas

Números revelados pelo último boletim epidemiológico Direção-Geral de Saúde mostram que a região de Lisboa e Vale do Tejo continua a liderar largamente os dados das novas infeções, sendo responsável por 90% dos infetados diários a nível nacional. Por concelhos, Lisboa e Sintra é onde se regista um maior crescimento do número de infetados por Covid-19.

Ministra admite que a precariedade na Cultura está “mais visível” mas sem solução “em dois meses”

Segundo a ministra, o Governo está “a trabalhar” e assumiu “o compromisso de, ao longo deste ano, resolver as questões laborais, de carreiras contributivas” ou “de descontos” destes profissionais, entre outras matérias.

Lisboa e Vale do Tejo com 90% dos novos casos

Os 382 novos casos reportados estão distribuídos regionalmente da seguinte forma: Lisboa e Vale do Tejo 345, Norte 21, Centro 10, Alentejo três, Algarve dois e Açores um. A Região Autónoma da Madeira não registou novas infeções nas últimas 24 horas.
Comentários