Mutualistas pedem prioridade na vacinação para quem assegura serviços essenciais nas IPSS

A APM-RedeMut salienta que dos cerca de 1.600 colaboradores das várias associadas, metade asseguram serviços essenciais e estão na linha da frente do combate à pandemia e, por isso, em grande exposição ao risco de contágio.

A representante das 24 maiores associações mutualistas do país alertou a task force da vacinação contra a Covid-19 para a necessidade de imunizar com a maior urgência os profissionais das instituições de solidariedade social, que têm respostas na área da saúde e da ação social, em especial de apoio domiciliário.

Numa carta dirigida à task force, divulgada esta sexta-feira, a direção da APM-RedeMut explica que a maioria das associadas que representa prestam cuidados de saúde e organizam respostas sociais.

“Além das consultas médicas e dos meios complementares de diagnóstico e terapêutica que realizam em diversas especialidades, também gerem estruturas residenciais e outras respostas sociais, nomeadamente serviços de apoio domiciliário, colocando os seus profissionais na linha da frente de combate à pandemia”, refere.

De acordo com o comunicado, algumas mutualidades tiveram mesmo de reforçar as equipas para continuar a dar resposta, uma vez que a fuga aos hospitais e centros de saúde do serviço público levou ao aumento da prestação de cuidados de saúde das associadas da APM-RedeMut.

“Temos equipas de apoio domiciliário a prestar serviços em contextos sociais e económicos frágeis e outras a apoiar especificamente doentes Covid-19 todos com enorme exposição ao risco do contágio do vírus”, explicam os responsáveis.

A APM-RedeMut argumenta que dos cerca de 1.600 colaboradores das várias associadas, metade asseguram serviços essenciais e estão na linha da frente do combate à pandemia e, por isso, em grande exposição ao risco de contágio e por isso “às entidades competentes, com urgência, a indicação de prioridade na vacinação contra a Covid-19, relativamente às pessoas que asseguram serviços essenciais nas instituições particulares de solidariedade social”.

Este pedido coincide com a aproximação da fase de vacinação das pessoas que asseguram serviços essenciais, daí a associação mutualista considerar ser imprescindível “definir uma priorização deste universo, que naturalmente inclui os médicos, enfermeiros, técnicos de diagnóstico e terapêutica, auxiliares de ação médica, assistentes de consultório, rececionistas, ajudantes familiares e assistentes sociais”.

Recomendadas

PS insiste que negociações do Orçamento do Estado para 2022 devem continuar na especialidade

José Luís Carneiro reforçou a intenção do PS em “apreciar as propostas” dos parceiros, mas com o propósito de “encontrar os pontos de equilíbrio e de bom senso”, na última das audiências que o Presidente da República manteve com os partidos nesta sexta-feira.

Catarina Martins sinaliza que “só não há um OE se o Governo não quiser”

A líder bloquista exemplificou algumas das áreas nas quais quer ver avanços no documento de OE, como o SNS ou as “longas carreiras contributivas”, esclarecendo ainda que “não se prende por questões formais”, pretendendo apenas “redações exatas das leis”.

Pandemia com tendência crescente entre população acima dos 80 anos

Apesar de manter uma intensidade reduzida e incidência estável, o que resulta em baixa mortalidade e pressão nos serviços de saúde, a pandemia volta a dar sinais de crescimento em quase todas as regiões do país, com o R(t) a nível nacional a chegar a 1,00.
Comentários