Ministra da Saúde diz que não está a ser ponderada aplicação de medidas mais restritivas em Lisboa e Vale do Tejo

A governante explicou que o aumento de casos em Lisboa e Vale do Tejo não estão relacionados com o desconfinamento, mas estão ligados a circunstâncias específicas da região e com o facto de estarem a ser realizados mais testes para controlo da propagação do vírus.

A ministra da Saúde, Marta Temido, afirmou que nesta altura não está a ser ponderada a aplicação de medidas mais restritivas para controlar a propagação do coronavírus covid-19 na zona de Lisboa e de Vale do Tejo.

A governante disse ainda que os surtos que estão a ocorrer em Lisboa e Vale do Tejo “não estarão relacionados com o desconfinamento”, mas estão ligados a circunstâncias específicas da região e com o facto de se estar a realizar mais testes para controlar a propagação do vírus.

Marta Temido abordou ainda a suspensão das atividades não essenciais nos hospitais da zona de Lisboa. A governante sublinhou que esta situação se vai manter enquanto a situação epidemiológica nesta zona exigir alerta.

A governante explicou que é preciso garantir prontidão na resposta dos profissionais de saúde em situações imprevistas, e que essas mesmas equipas de saúde estão disponíveis para conter o coronavírus.

“Entendemos que esta é a melhor solução”, reforçou Marta Temido.

Recomendadas

Medição de temperatura pode criar “constrangimentos” no aeroporto de Lisboa

A ANA reconhece que a medição da temperatura dos passageiros pode causar “alguns constrangimentos em momentos de maior concentração” de voos de chegada no aeroporto de Lisboa.

Bill Gates pede que fármaco contra Covid-19 seja distribuído “entre quem mais precisa” e não ao “maior licitador”

“Precisamos que os líderes tomem essas decisões difíceis sobre a distribuição com base no património, e não apenas em fatores orientados pelo mercado”, explicou numa conferência que tinha a Covid-19 como tema central do debate.

Empresários alemães antecipam “desastre económico ” com Brexit sem acordo

Os empresários alemães consideraram hoje que se não houver “regras claras” relativamente ao comércio de mercadorias após o ‘Brexit’, haverá um “desastre económico” para as empresas do país.
Comentários