Corrida às bombas. Há gasóleo em 113 postos. Mais de 800 têm gasolina. Saiba onde

Os motoristas em greve e as entidades patronais voltam a reunir-se esta quarta-feira, com a mediação do Governo, para tentar ultrapassar o impasse. Vários setores económicos estão a defender o aumento dos serviços mínimos e o seu alargamento a todo o país. Até ao fim da crise, saiba onde é que pode abastecer.

Apesar da corrida às bombas de combustível, devido à greve dos motoristas de matérias perigosas, ainda existem postos em Portugal onde é possível abastecer.

Dos quase 2.800 postos de combustível listados na base de dados da plataforma Já não dá para abastecer, ainda existem 113 postos de combustível onde é possível abastecer gasóleo. Já o número de postos onde ainda há gasolina, atinge o total de 804 bombas.

Esta tarde saiu uma coluna, escoltada pela polícia, do parque de armazenagem de combustíveis em Aveiras de Cima com sete camiões cisterna – cada um transportando 35 mil litros de combustível – rumo à capital. Nove locais esperam agora por reabastecimento na grande Lisboa: a Prio de Oeiras, da Damaia e de Ranholas (A16), a Repsol de Alcoitão e de Benfica, a BP do Restelo e as Galp junto do aeroporto de Lisboa, de Olivais e Odivelas.

Portugal está a ser bastante afetado pelo conflito laboral que afeta os motoristas de transporte de matérias perigosas. A paralisação convocada pelo Sindicato Nacional dos Motoristas de Matérias Perigosas (SNMMP), que decorre desde as 00h00 de segunda-feira, 15 de abril, por tempo indeterminado, tem surtido graves efeitos sobretudo no abastecimento de gasolineiras, afetando todas os quase 3.000 postos de combustível em Portugal.

Um dos setores que poderá vir a ser afetado é o do retalho e distribuição. A empresa dona do Minipreço já alertou que se a situação continuar, poderá haver “alguns constrangimentos, já a partir de sexta-feira”, disse ao Jornal Económico Ricardo Torres Assunção, diretor de comunicação e publicidade DIA Portugal.

Outros setores já estão a ser afetados e já há fábricas de produtos alimentares que estão a fechar as portas devido à falta de subprodutos necessários à produção de produtos como óleo, azeite, papas para bebés, bolachas, entre outros produtos.

Nos aeroportos de Lisboa e de Faro, o abastecimento de combustíveis  foi retomado, mas ainda fica “aquém” das necessidades habituais. Foi “retomado o fornecimento de combustível aos aeroportos”, anunciou a Ana em comunicado.

“As companhias aéreas mantêm ativos os seus planos de contingência e os passageiros devem informar-se junto das mesmas sobre eventuais impactes”, acrescenta a Ana.

O primeiro-ministro António Costa admitiu hoje alargar os serviços mínimos na greve dos motoristas de matérias perigosas, isto apesar de considerar que este é um “conflito entre entidades privadas e os motoristas”.

 

Os postos disponíveis podem ser consultados na plataforma Já não dá para abastecer.

Ler mais
Relacionadas

Combustíveis: Marcelo fala em “duas urgências” a abordar para resolver crise

“Eu direi, em primeiro lugar, num clima que tem de ser um clima de serenidade, que há duas prioridades, duas urgências, que são simultâneas”, afirmou Marcelo Rebelo de Sousa, em declarações aos jornalistas, durante uma visita à serra de Grândola (Setúbal).

Crise energética: Já há fábricas de produtos alimentares a fechar

A greve dos motoristas de matérias perigosas está a afectar a indústria alimentar. Em causa está a falta de produtos químicos necessários à produção como o metanol, soda cáustica e ácido fosfórico. Áreas de alimentação como óleo, azeite, bolachas e papas de bebé são as principais atingidas.

Como rentabilizar o consumo de combustível? Seis dicas para evitar filas nas ‘bombas’

Existem técnicas que podem ser aplicadas para poupar combustível. Este tipo de condução, além de gastar menos energia, também evita o desgaste do carro, abrangendo a durabilidade das peças e dos componentes dos veículos.

Governo, sindicato e Antram voltam a reunir esta quarta-feira

Fonte governamental refere ao jornal “Expresso” que os membros do Sindicato Nacional de Motoristas de Mercadorias Perigosas (SNMMP) vão ter uma segunda reunião, depois da tentativa falhada na reunião de terça-feira.

Frota de reboques em risco de paralisar devido à falta de combustíveis

Associação Nacional do Ramo Automóvel (ARAN), alerta para o elevado risco de as empresas de pronto-socorro não poderem prestar assistência em estrada, a veículos acidentados, avariados e imobilizados devido à falta de combustível.
Recomendadas

Boris Johnson diz que ‘backstop’ “simplesmente tem de sair” do acordo para o Brexit

O primeiro-ministro britânico disse esta quarta-feira o Reino Unido “não pode aceitar” o atual acordo de saída da União Europeia e que o mecanismo de salvaguarda para a fronteira irlandesa “tem de sair” do texto.
pedro-pardal-henriques

Motoristas avançam com greve ao trabalho suplementar no início de setembro

O sindicato dos motoristas de matérias perigosas vai entregar hoje o pré-aviso de greve ao trabalho suplementar, após não chegarem a acordo com os patrões. “O único regime em que as pessoas podem fazer trabalho suplementar sem receberem é a Coreia do Norte”, disse Pardal Henriques.

Londres deixa de participar na maior parte das reuniões da União Europeia a 1 de setembro

“Muitas das discussões nestas reuniões com a UE têm a ver com a União depois da saída do Reino Unido. Libertar os representantes dessas reuniões permite que eles concentrem melhor os seus talentos nas prioridades nacionais imediatas”, afirmou Steve Barclay.
Comentários