Covid-19 já matou mais de 700 mil pessoas e infetou mais de 18,5 milhões

A pandemia da Covid-19 já matou pelo menos 701.112 pessoas em todo o mundo desde que o vírus foi detetado na China, em dezembro, refere o último balanço feito pela Agência France-Presse (AFP) com base em dados oficiais.

Ao todo, 18.572.720 casos de infeção foram oficialmente diagnosticados em 196 países e territórios, dos quais pelo menos 10.917.200 já foram considerados curados.

O número de casos diagnosticados só reflete, no entanto, uma fração do número real de infeções, já que alguns países testam apenas casos graves, outros fazem os testes para rastreio e muitos países mais pobres têm uma capacidade limitada de fazer testes.

Na terça-feira foram registadas 6.784 mortes e 252.972 novos casos da doença em todo o mundo, sendo que os países que mais vítimas mortais contabilizaram nos seus últimos relatórios foram os Estados Unidos, com 1.302 novos casos, o Brasil (1.154) e o México (857).

Os Estados Unidos são o país mais afetado tanto em termos de vítimas mortais como de infeções, com 156.830 mortes e 4.771.846 casos, segundo a Universidade Johns Hopkins. Pelo menos 1.528.979 pessoas foram declaradas curadas no país.

Depois dos Estados Unidos, os países mais afetados são o Brasil, com 95.819 mortos e 2.801.921 casos, o México, com 48.869 mortos e 449.961 casos de infeção, o Reino Unido, com 46.299 mortos e 306.293 casos, e a Índia, com 39.795 óbitos e 1.908.254 casos de infeção.

Entre os países mais atingidos, a Bélgica é a que apresenta o maior número de mortes em relação à sua população, com 85 mortes por cada 100.000 habitantes, seguida do Reino Unido (68), de Espanha (61), do Peru (61) e da Itália (58).

A China (excluindo os territórios de Hong Kong e Macau) contabiliza oficialmente um total de 84.491 casos (27 novos nas últimas 24 horas), incluindo 4.634 mortes e 79.047 recuperados.

A Europa totalizava, às 12:00 de hoje, 211.603 mortes e 3.256.677 casos, enquanto a América Latina e as Caraíbas registavam 206.713 óbitos (5.120.531 casos).

Os Estados Unidos e o Canadá contabilizavam 165.818 mortes (4.889.179 casos) e na Ásia somavam-se 66.979 óbitos (3.113.070 casos).

O Médio Oriente contabilizava 28.637 mortes (1.192.975 casos), África 21.083 óbitos (979.057 casos) e Oceânia 279 mortes (21.239 casos).

Esta avaliação foi realizada usando dados recolhidos pela AFP junto das autoridades nacionais de saúde e com informações da Organização Mundial da Saúde.

Em Portugal, segundo o último boletim diário da Direção-Geral de Saúde (DGS), morreram 1.738 pessoas das 51.569 confirmadas como infetadas.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Ler mais
Recomendadas

Fisco vai anular multas de 75 euros a trabalhadores independentes que esperam apoio extraordinário

A denúncia partiu hoje da Precários Inflexíveis, dando conta que muitos destes trabalhadores relataram à associação não conseguir submeter o pedido para o apoio relativo a julho, devido ao prazo curto para submeter o requerimento (uma semana, sem aviso prévio) e o tempo que leva a ser confirmada a reabertura de atividade.

Bolsonaro diz que subsídios para os mais pobres na luta contra a pandemia não são eternos

De acordo com a imprensa brasileira, Bolsonaro justifica o aumento da despesa pública com a atribuição de subsídios aos mais carenciados, para mitigar efeitos da pandemia da Covid-19. Contudo, o presidente do Brasil diz que apoios não são para sempre.

Covid-19: Açores com sete novos infetados nas últimas 24 horas

A autoridade de saúde regional “decorrentes das 1.020 análises realizadas nos dois laboratórios de referência da região nas últimas 24 horas, foram diagnosticados sete casos positivos de covid-19”, dos quais “três em São Miguel, um na Terceira e três no Faial”.
Comentários