Covid-19: Transportes rodoviários da Área Metropolitana Lisboa adotam horário de verão

Os transportes públicos rodoviários da Área Metropolitana de Lisboa vão adotar o horário de verão ou, nos casos em que ele não esteja definido, o de agosto, no âmbito da prevenção da epidemia de Covid-19, foi anunciado esta quinta-feira.

Carris

Em comunicado, a entidade Área Metropolitana de Lisboa (AML) explica que se trata de “medidas adicionais de contingência nos autocarros”, para ajustar a oferta e “assegurar a reserva de motoristas para necessidades futuras do serviço público de transportes”.

“Estas medidas terão, no entanto, de contemplar a necessidade de a oferta poder ter de ser ajustada à procura que vier a verificar-se em cada momento, em áreas, horários e serviços específicos, e deverão ainda garantir uma resposta aos horários, iniciais e finais, e respetivos períodos laborais”, ressalva a nota.

Assim, a partir de hoje as transportadoras terão de adaptar os seus horários para o período de verão ou, caso este não esteja contemplado, para o de agosto.

“Desta forma, pretende-se garantir a salvaguarda do distanciamento social aconselhável entre passageiros, e entre estes e o pessoal tripulante, nos diversos serviços realizados”, refere a nota.

Segundo um anúncio anterior da AML, desde domingo que os passageiros não podem comprar o seu bilhete a bordo no transporte rodoviário, de forma a os motoristas deixarem de ter contacto com dinheiro e operações de pagamento.

A entrada e saída dos utentes passou “a processar-se apenas pelas portas traseiras dos autocarros de serviço urbano e interurbano, deixando as entradas de ocorrer pela porta da frente, junto ao motorista”.

Deixaram de ser obrigatórias as validações dos títulos nos autocarros.

A Área Metropolitana de Lisboa revelou ainda ter reforçado o apelo, junto dos operadores, “para que se empreenda um esforço suplementar de oferta que responda à procura que se vier a verificar em cada momento, e em áreas e serviços específicos”.

O novo coronavírus, responsável pela pandemia da Covid-19, já infetou mais de 210 mil pessoas em todo o mundo, das quais mais de 8.750 morreram.

Das pessoas infetadas, mais de 84.000 recuperaram da doença.

Em Portugal, há 785 casos confirmados de infeção e três mortos.

A Assembleia da República aprovou na quarta-feira o decreto de declaração do estado de emergência que lhe foi submetido pelo Presidente da República com o objetivo de combater a pandemia de Covid-19.

O estado de emergência proposto pelo Presidente prolonga-se até às 23:59 de 02 de abril, segundo o decreto publicado quarta-feira em Diário da República, que prevê a possibilidade de confinamento obrigatório compulsivo dos cidadãos em casa e restrições à circulação na via pública, a não ser que tenham justificação.

As medidas que concretizam o estado de emergência serão aprovadas hoje em Conselho de Ministros.

Recomendadas

PS insiste que negociações do Orçamento do Estado para 2022 devem continuar na especialidade

José Luís Carneiro reforçou a intenção do PS em “apreciar as propostas” dos parceiros, mas com o propósito de “encontrar os pontos de equilíbrio e de bom senso”, na última das audiências que o Presidente da República manteve com os partidos nesta sexta-feira.

Catarina Martins sinaliza que “só não há um OE se o Governo não quiser”

A líder bloquista exemplificou algumas das áreas nas quais quer ver avanços no documento de OE, como o SNS ou as “longas carreiras contributivas”, esclarecendo ainda que “não se prende por questões formais”, pretendendo apenas “redações exatas das leis”.

Pandemia com tendência crescente entre população acima dos 80 anos

Apesar de manter uma intensidade reduzida e incidência estável, o que resulta em baixa mortalidade e pressão nos serviços de saúde, a pandemia volta a dar sinais de crescimento em quase todas as regiões do país, com o R(t) a nível nacional a chegar a 1,00.
Comentários