Críticas à ANTRAM e ao Governo. Como foi o plenário do Sindicato Independente dos Motoristas

O Sindicato Independente dos Motoristas de Mercadorias (SIMM) reuniu-se este sábado de manhã, no Estádio Municipal de Leiria, para discutir a greve anunciada para segunda-feira, dia 12. Saiba o que ficou decidido e o que os motoristas esperam da parte da associação patronal Antram.

greve_motoristas_matérias_perigosas_4
Miguel A. Lopes/Lusa

O Sindicato Independente dos Motoristas de Mercadorias (SIMM) aprovou este sábado em plenário a manutenção da greve anunciada para segunda-feira, dia 12. Na reunião em que estiveram presentes mais de meia centena de motoristas, ficou decidido como vão ser feitos os piquetes durante a greve e multiplicaram-se as críticas ao Governo.

“A greve começa às zero horas de segunda-feira e ainda falta algum tempo. Ainda há margem para a evitarem, se assim desejarem”, afirmou o porta-voz do SIMM, Anacleto Rodrigues, à saída do plenário. O porta-voz do sindicato disse que a desconvocação da greve está nas mãos da Associação Nacional de Transportes Públicos e Rodoviários de Mercadores (ANTRAM).

Para isso, a ANTRAM deve cumprir com o prometido em maio e avançar com uma proposta de progressão salarial que garanta “a um profissional altamente qualificado, um salário digno”.

Anacleto Rodrigues disse que, até ao momento, “não chegou ao conhecimento [do sindicato] qualquer abertura por parte da ANTRAM”. “As pessoas têm os nossos contactos, sabem da nossa abertura para resolver o problema. O que está em causa é tão-só uma relação laboral mais justa”, sublinhou.

Os associados do SIMM garantem que vão sair à rua “de forma cordial” para “dar uma lição de civismo e mudar um bocadinho a imagem que há do motorista”. Ao mesmo tempo, o sindicatos compromete-se a garantir os serviços mínimos, tal como pedido pelo Governo.

“Os sindicatos estão a trabalhar no sentido de assegurar os serviços mínimos. Os motoristas são pessoas responsáveis. Não vai haver oposição aos serviços mínimos, estamos conhecedores da lei e não se pode fazer cortes de estradas em Portugal”, garantiu Anacleto Rodrigues, alertando contudo para a possibilidade de existirem “infiltrados nos piquetes de greve”, a fim de tentarem “desestabilizar e passar uma imagem errada do que são os motoristas”.

Tendo em conta essa situação, os coordenadores dos piquetes têm a instrução de “sempre que detetarem elementos estranhos, que os abordem e, se não forem motoristas, têm imediatamente de entrar em contacto com as forças dos elementos de segurança”.

 

Governo e ANTRAM tentam “silenciar” sindicatos

Anacleto Rodrigues afirmou que foi com “revolta” que os motoristas de matérias-primas receberam a notícia de que o Governo tinha decretado serviços mínimos e declarado estado de emergência energética.

“Já adivinhávamos que os serviços mínimos decretados fossem generosos, mas não pensávamos que fossem tanto. Neste momento, aquilo que era uma indignação da parte destes trabalhadores, que tiveram praticamente 20 anos a perder poder de compra sem uma atualização salarial, deu lugar à revolta”, afirmou o porta-voz do SIMM.

Os motoristas “sentem que há uma série de poderes que se aliam e conjugam na tentativa de os silenciar, retirar voz e não deixar que venha para a praça os seus direitos e reivindicações”.

Durante o plenário do SIMM foi ainda criticada a possibilidade de haver militares a conduzir veículos pesados, para suprir necessidades durante o período de greve. “Não se compreende, e desde já fica o Governo responsabilizado por qualquer acidente que possa vir a decorrer num veículo conduzido por um desses condutores”, indicou o porta-voz, notando que para conduzir matérias perigosas em cisterna é preciso “uma formação superior a cem horas”.

Ler mais
Recomendadas

Tem uma PME? Saiba como continuar a trabalhar com o Brexit

O Acordo de Saída prevê um período transitório, até 31 de dezembro de 2020, durante o qual prevalecerão as atuais regras do Mercado Único Europeu e da União Aduaneira.

António Costa diz que aprovação do Orçamento é “meio caminho andado” para a legislatura correr bem 

“Ao contrário do que alguns receavam, não tem uma única medida de retrocesso de qualquer dos avanços alcançados nos últimos quatro anos. Ao contrário do que alguns receavam, não nos faz ficar parados ou a marcar passo”, referiu.

“Acordo do Reino Unido com a UE em 11 meses é pouco provável”

Após a saída do Reino Unido da UE no passado 31 de janeiro, Ricardo Evangelista, analista da ActivTrades em Londres, encarou com pessimismo a possibilidade de um acordo em 11 meses entre britânicos e instituições europeias.
Comentários