Diretor da Startup Portugal diz que startups representam inovação que levaria “anos e anos a implementar”

João Borga vê nas startups uma porta “de inovação, de rapidez e de agilidade”, o que é “muito benéfico” para a indústria nacional, “porque permite de uma forma barata dar um salto quantitativo e mostrar o que é a evolução da própria indústria em pouco tempo”.

A tecnologia na indústria portuguesa e o papel da reindustrialização na recuperação da crise causada pela pandemia de Covid-19 foi o foco do debate na Web Talk “Indústria”, organizada pelo Jornal Económico em parceira com a Huawei, no âmbito do ciclo ‘A Step Into de Future’, no mês de julho, em que o diretor da Startup Portugal, João Borga explicou como é que o ecossistema das pequenas empresas de rápido crescimento têm ajudado a desenvolver a tecnologia na indústria portuguesa.

Para João Borga, as startup representam capacidade de desenvolver produtos mais acessíveis e de produção mais rápida, com maior facilidade de transposição para o mercado. “Ou seja, estas startups são pequenas equipas – quase como se fossem task forces ou equipas de implementação rápida – que trazem para a indústria tecnologias que normalmente demorariam anos e anos a implementar”.

As startups InfraSpeak e a ProdSmart foram os exemplos a que João Borga aludiu. A primeira, foi criada “há três ou quatro anos” e desenvolve soluções da indústria para a indústria, estando hoje a trabalhar já em “60 mil edifícios”.

Já a ProdSmart “digitaliza os processos da própria indústria, pega numa indústria tão tradicional como o têxtil e digitaliza pequenos indicadores o processo de produção”.

O responsável pela Startup Portugal explicou que “este tipo de inovação, de rapidez e de agilidade que as startups trazem para a indústria é muito benéfico, porque permite de uma forma barata dar um salto quantitativo e mostrar o que é a evolução da própria indústria em pouco tempo”.

Por outro lado, o sucesso das startups baseia-se em jovens “que acabaram de sair das universidades” e que “têm muito conhecimento” nas suas mãos e que “dedicaram muito tempo para resolver um problema bicudo, mas muito circunscrito”, elucida.

Por isso, no âmbito da inovação tecnológica na indústria portuguesa e o papel da indústria na reindustrialização, tendo em vista a recuperação da crise causada pela pandemia de Covid-19, as startups representam “soluções que, normalmente, não estariam internamente disponíveis nas empresas ou que sairiam muito mais caras a serem desenvolvidos pelos grandes operadores internacionais”.

Ler mais
Relacionadas

Álvaro Santos Pereira apela a reflexão sobre teletrabalho e legislação laboral “mais flexível”

“O grande impacto desta pandemia vai ser o desenvolvimento do digital. Todos estamos, agora, a trabalhar remotamente constantemente. A pandemia obrigou-nos a adaptar-nos muito mais rapidamente ao digital. E isso vai ter um impacto muito grande, não só na indústria”, afirmou, durante a Web Talk “Indústria” organizada pelo JE em parceria com a Huawei Portugal.
Recomendadas

OMS desaconselha reabertura de escolas em países com elevado contágio

A reabertura de escolas em países com elevado contágio pelo novo coronavírus “vai piorar a situação” associada à pandemia da Covid-19, avisou esta quarta-feira o responsável pelo programa de Emergências Sanitárias da Organização Mundial de Saúde (OMS), Michael Ryan.

Farmacêutica Pfizer inicia ensaio clínico com quase 30 mil participantes

A farmacêutica norte-americana Pfizer e a biotecnológica alemã BioNTech iniciaram um ensaio clínico de uma potencial vacina para a Covid-19 envolvendo cerca de 30 mil participantes, foi anunciado esta quarta-feira.

Reino Unido regista 892 contágios e 67 mortos nas últimas 24 horas

O Reino Unido registou esta quarta-feira mais 892 contágios da Covid-19 nas últimas 24 horas, face aos 670 de terça-feira, e mais 67 mortes, anunciou o Governo de Londres.
Comentários