Diretores sugerem aulas nas férias para alunos do 11.º e 12.º anos

Faltam três dias úteis para começar o terceiro período para a maioria dos alunos dos ensinos básico e secundário – há escolas onde o ano letivo está dividido em dois semestres – e os diretores continuam sem respostas a muitas questões neste tempo de pandemia da covid-19, que já provocou mais de 300 mortos em Portugal.

Os diretores das escolas admitem que os alunos do secundário possam ter aulas em junho, julho e até em setembro para se prepararem para os exames nacionais, que poderão ser adiados assim como o acesso ao ensino superior.

Faltam três dias úteis para começar o terceiro período para a maioria dos alunos dos ensinos básico e secundário – há escolas onde o ano letivo está dividido em dois semestres – e os diretores continuam sem respostas a muitas questões neste tempo de pandemia da covid-19, que já provocou mais de 300 mortos em Portugal.

Em declarações à Lusa, os presidentes das duas associações de diretores escolares reconhecem “as dificuldades” de planeamento do Governo e do ministério da Educação perante a imprevisibilidade da evolução de contágio do novo coronavírus, que obrigou ao encerramento de todas as escolas desde 16 de março.

Os diretores continuam sem saber de que forma será feita a avaliação, se haverá aulas presenciais, como garantir o acesso a quem não tem internet nem computador ou se haverá provas de aferição e exames nacionais.

Mas, nas escolas, os professores estão a ter reuniões de departamento, conselhos de turma e pedagógicos e começam a planear como serão os últimos dois meses de aulas.

“O 09 de abril é o nosso dia D, que é quando saberemos com que linhas nos vamos cozer”, disse à Lusa o presidente da Associação Nacional de Diretores de Agrupamentos e Escolas Públicas (ANDAEP), Filinto Lima, referindo-se à data apontada pelo ministério da Educação para anunciar as medidas para o 3.º período.

Os diretores têm algumas sugestões, tais como poder manter as escolas abertas para apoiar os alunos do secundário numa altura em que tradicionalmente os estudantes estão de férias.

“As escolas poderão funcionar em junho, julho e até em setembro para dar aulas extra aos alunos do 11.º e do 12.º anos que têm de realizar os exames nacionais por causa do acesso ao ensino superior”, sugeriu o presidente da Associação Nacional de Dirigentes Escolares (ANDE), Manuel Pereira, em declarações à Lusa.

A ideia é corroborada por Filinto Lima, que acrescentou que o próximo ano letivo poderia começar um pouco mais tarde assim como a realização dos exames nacionais.

O Governo chegou a ponderar a hipótese de as escolas abrirem a 04 de maio para os alunos do secundário, mas os diretores consideram ser uma “visão demasiado otimista” tendo em conta as recentes declarações da ministra da Saúde que admitiu que “ainda não se vê uma luz ao fundo do túnel” na luta contra a pandemia da covid-19.

Os dois diretores sublinham que a prioridade tem de ser “a saúde dos alunos, professores e de toda a comunidade educativa” e por isso acham mais viável as aulas extra no final do ano letivo.

Esta sugestão acabaria por afetar diretamente os professores, que se têm queixado de sobrecarga de trabalho, mas os diretores acreditam que os docentes vão manter a postura conhecida até agora: “Os professores serão sempre parte da solução e nunca do problema. Têm-se adaptado a todas estas mudanças de uma forma incrível”, lembrou Filinto Lima.

Manuel Pereira também saudou o trabalho dos docentes, acrescentando que “o tempo da casa não é o mesmo que o tempo da escola: Muitos professores, quando estão em casa a dar aulas, também são pais, tendo que acompanhar os seus filhos e garantir as refeições. É tudo muito mais complicado”.

Também por isso, os diretores defendem que o horário de aulas deve sofrer um ajustamento, ou seja, menos carga horária para que professores, alunos e encarregados de educação consigam responder ao que lhes é pedido.

“Dar aulas presenciais a uma turma de 30 alunos é diferente de estar em casa a dar aulas à distância. Este novo ensino tem de ser muito mais personalizado para garantir que os alunos estão ligados de outro lado, que estão a responder”, sublinhou Manuel Pereira.

Sobre a realização das provas de aferição do 2.º, 5.º e 8.º anos e dos exames do 9.º ano, os diretores voltaram a dizer que “devem cair” porque não há condições para se realizarem.

Este fim de semana, o Governo garantiu que no 3.º período os professores terão o apoio da televisão, que irá transmitir programas com algumas matérias, uma espécie de regresso da “Telescola”.

“Usar os canais abertos de televisão para conseguir que alguns conteúdos programáticos cheguem a todos é uma boa solução”, aplaudiu Manuel Pereira, voltando a lembrar os alunos sem acesso a internet ou computador.

Este serviço, que surge de uma parceria com a RTP, deverá começar na próxima semana para todos os alunos até ao 9.º ano, mas os pormenores ainda são desconhecidos.

O presidente da ANDE considerou que o ME já deveria ter dado mais indiciações às escolas para planear o próximo período, sob pena de estarem a tomar decisões que depois terão de ser adaptadas a decisões diferentes: “Temos apenas três dias para preparar o próximo ano letivo”.

Ler mais
Recomendadas

Covid-19: Testes rápidos de antigénio registaram maior número de sempre a 7 de abril

O recurso a testes rápidos de antigénio à covid-19 está a aumentar em Portugal, tendo atingido o maior número a 07 de abril, com mais de 34.000 realizados nesse dia, segundo dados do Instituto Ricardo Jorge.

Portugal pode chegar à ‘linha vermelha’ de 120 novos casos de Covid-19 por 100 mil habitantes em dois meses

Estima-se que o tempo de duplicação da incidência seja de 86 dias, o que significa que, à atual taxa de crescimento, será preciso dois ou mais meses para atingir a linha de 120 casos por 100.000 habitantes”, alerta um relatório de monitorização da pandemia elaborado pela DGS – Direção Geral da Saúde e pelo INSA – Instituto Nacional de Saúde Doutor Ricardo Jorge.

Associação Zero conclui que pandemia contribuiu para uma redução de 24% nas emissões poluentes em Portugal

“Se considerarmos o total das empresas nos dez primeiros lugares em 2020, verifica-se um decréscimo de 24% das suas emissões em relação ao ano anterior, o que é uma consequência direta do efeito da pandemia”, salientou a associação em nota hoje divulgada.
Comentários