Economia da Coreia do Sul contrai em 2020 pela primeira vez em 22 anos (com áudio)

Esta foi a maior contração registada na Coreia do Sul em mais de vinte anos, desde o quarto trimestre de 1998, em plena crise financeira asiática, quando o PIB da Coreia do Sul caiu 3,8.

A economia da Coreia do Sul contraiu-se em 2020 pela primeira vez em 22 anos, devido ao impacto da pandemia de covid-19, anunciou hoje o banco central do país asiático.

De acordo com os dados preliminares divulgados pelo Banco da Coreia do Sul, no ano passado o Produto Interno Bruto (PIB) da quarta maior economia da Ásia, que é também a 12.ª maior do mundo, caiu 1% em relação a 2019, segundo a agência de notícias Associated Press (AP).

Esta foi a maior contração registada na Coreia do Sul em mais de vinte anos, desde o quarto trimestre de 1998, em plena crise financeira asiática, quando o PIB da Coreia do Sul caiu 3,8.

Ainda assim, o impacto económico da pandemia poderia ter sido mais grave.

No ano passado, o Fundo Monetário Internacional (FMI) chegou a prever que a economia daquele país sofresse uma contração de 2,1%.

Os efeitos da crise sanitária na economia foram atenuados pela exportação de tecnologia, com a procura de computadores a aumentar mundialmente, depois de a pandemia forçar milhões em todo o mundo a trabalhar a partir de casa, indicou o banco central.

A Coreia do Sul foi um dos primeiros países afetados pela pandemia de covid-19, no início de 2020.

Seul conseguiu inicialmente travar a propagação da doença sem impor confinamento, através de uma estratégia de rastreio intensivo e de regras de distanciamento social.

Apesar disso, a economia, muito dependente das exportações, sofreu com as repercussões da crise sanitária e com a perda de empregos e a diminuição do consumo interno.

A Coreia do Sul registou 424 novas infeções de covid-19 nas últimas 24 horas, elevando o total nacional para 91.240 casos confirmados, que provocaram 1.619 mortes.

A pandemia de covid-19 provocou, pelo menos, 2.549.910 mortos no mundo, resultantes de mais de 114,7 milhões de casos de infeção, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro de 2019, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Ler mais
Recomendadas

Açores deixam de exigir teste à chegada com fim do estado de emergência

Em outubro, o anterior executivo socialista promoveu a iniciativa “Voucher Destino Açores Seguro” para quem chegasse com um teste negativo, também no valor de 35 euros, que podia ser gasto em bens e serviços na região.

Vacinação diária de 100 mil pessoas “dentro de duas a três semanas”

Segundo Henrique Gouveia e Melo, a segunda fase da vacinação está a ser organizada e testada e as “indicações são positivas”, sendo necessário vacinar cerca de 100 mil pessoas diariamente, já “dentro de duas a três semanas”, para utilizar todas as vacinas que o país vai receber.

Vacinação necessita de reforço de 1.700 profissionais de saúde

Segundo o coordenador do plano de vacinação, este cálculo “já foi comunicado”, existindo diversas opções que, neste momento, “estão em cima da mesa e que estão a ser tratadas para garantir que esses profissionais de saúde estejam disponíveis” para a nova fase da vacinação no país que tem a meta de vacinar cerca de 100 mil pessoas por dia.
Comentários