Entre 150 candidatas, estas sete vacinas contra a Covid-19 estão quase finalizadas

De Inglaterra à China passando pela Austrália verifica-se uma corrida para a produção da primeira vacina contra a Covid-19. Atualmente existem sete que estão na fase final dos testes clínicos e que apresentam resultados promissores.

A corrida para o desenvolvimento de uma vacina contra a Covid-19 já conta com mais de 150 candidaturas de um pouco por todo o mundo, mas nem todas se encontram na mesma fase. Atualmente, cerca de sete vacinas encontram-se na terceira fase de desenvolvimento e algumas apresentam resultados promissores. A maioria encontra-se ainda em fase pré-clínica ou fase 1, ou seja, apenas estão a ser testadas num grupo reduzido de pessoas para saber se é segura.

Universidade de Oxford – ChAdOx1

A vacina que tem, para já, os resultados mais promissores e promete dar imunidade por vários anos, está a ser desenvolvida na Universidade de Oxford e produzida pela AstraZeneca. Começaram os ensaios clínico a 23 de abril e hoje já se encontra na fase final de desenvolvimento.

O governo do Reino Unido assegura que a empresa planeia ter disponíveis 30 milhões de doses da vacina em setembro, mesmo que não haja ainda provas da sua eficácia.

Atualmente, além de estar a ser testada em voluntários em Oxford, está a ser testada, também, em São Paulo, um dos estados brasileiros mais fortemente afetados pela Covid-19. Os ensaios a mostram que a vacina conseguiu gerar uma resposta imune nas amostras de sangue recolhidas, com a produção de anticorpos e células T assassinas. “É com a combinação destas duas coisas que esperamos conseguir proteger as pessoas contra o vírus. Há ainda um longo caminho a percorrer, mas este é um momento muito importante”, reconheceu ao “The Telegraph” uma fonte ligada ao estudo.

Sinovac Biotech – CoronaVac

Também na última fase de desenvolvimento, ou fase 3, encontra-se a vacina desenvolvida pela Sinovac Biotech, na China.

A vacina, que utiliza agentes patogénicos inertes do vírus da Covid-19, começou por ser administrada a oito macacos, tendo o laboratório anunciado, em comunicado divulgado em abril, que depois da contaminação artificial estes animais ficaram “largamente protegidos”. Depois do teste neste animais, o laboratório prosseguiu para a testagem em humanos.

Tal como a ChAdOx1, também a CoronaVac vai ser testada em Brasil, a partir de 20 de julho. Os testes vão ser realizados em voluntários da área da saúde, médicos e enfermeiros, nos estados de São Paulo, Rio de Janeiro, Brasília, Minas Gerais, Rio Grande do Sul e Paraná. Caso se comprove a sua eficácia no Brasil, serão produzidas 60 milhões de doses ainda em 2020, em colaboração com o instituto brasileiro Butantan.

Instituto de Produtos Biológicos de Pequim e Sinopharm – S/N

Ainda sem nome atribuído, surge também na última fase a vacina a ser desenvolvida pelo Instituto de Produtos Biológicos de Pequim e a empresa estatal chinesa Sinopharm.

A 24 de junho, foi anunciado que a vacina entraria na fase três dos testes clínicos e que o próximo passo passaria agora por fazer testes nos Emirados Árabes Unidos. A justificação para isso é o facto de não haver, neste momento, casos suficientes de infeção na China para se perceber se a vacina é, ou não, eficaz.

Moderna – mRNA-1273

De acordo com os cientistas do laboratório da Moderna, a vacina mRNA-1273 só entrará na fase final de testes clínicos a 27 de julho, nos quais vão participar 30 mil voluntários norte-americanos.

De acordo com o “New England Journal of Medicine”, a potencial vacina contra a Covid-19 da Moderna produziu anticorpos em todos os 45 voluntários que participaram na primeira fase dos testes à vacina. Com base nos resultados positivos, a empresa anunciou que vai entrar na fase final dos ensaios clínicos no dia 27 de julho, tornando-se na primeira a fazê-lo.

Do Governo norte-americano, a empresa recebeu um financiamento no valor de 483 milhões de dólares (o equivalente a 426 milhões de euros).

O projeto de vacina da Moderna baseia-se no “mensageiro” ARN, um sistema que transporta o código genético do ADN às células e que procura fornecer ao corpo as informações genéticas necessárias para o proteger preventivamente contra o novo coronavírus.

CanSino Biologics – Ad5-nCoV

No final de junho, o Governo chinês aprovou o “uso exclusivo” da vacina por parte dos militares do Exército de Libertação Popular. Antes disso, em maio, o presidente da China, Xi Jinping, afirmou que o país irá disponibilizar globalmente qualquer vacina desenvolvida, por se tratar de um bem público.

A Cansino Biologics defende que os resultados, até ao momento, dos ensaios clínicos mostravam que a vacina tinha um “bom perfil de segurança” e potencial para prevenir doenças causadas pelo novo coronavírus. Porém, referiu não ter garantias de que a vacina – que teve os seus ensaios clínicos de fase um e dois realizados na China – acabe por ser comercializada.

BioNTech e Pfizer

Em julho, ambas as empresas anunciaram terem obtido resultados positivos nos primeiros testes efetuados, em que participaram 45 adultos com idades entre os 18 e os 55 anos. Foram testadas diferentes doses da vacina, tendo os resultados revelado nos indivíduos uma produção de anticorpos superior à que tem sido detetada em pacientes que recuperaram da Covid-19.

Para finais de julho, está prevista a testagem em mais de 30 mil pessoas para que possam fabirar, até ao final do ano, até 100 milhões de doses e mais de 1,2 mil milhões em 2021.

Novavax – NVX-CoV2373

Previsto para entrar na fase três em outono é a vacina australiana, sendo esperada a participação de até 30 mil pessoas, segundo um comunicado divulgado pela empresa.

A empresa terá recebido um investimento de 1,4 mil milhões de dólares por parte dos EUA em troca de acesso aos primeiros 100 milhões de doses.

Ler mais
Recomendadas

Conselho da República de Cabo Verde reúne-se hoje para debater situação epidemiológica do país

Ministro da Saúde cabo-verdiano, bastonário da Ordem dos Médicos, diretor nacional da Saúde, vice-primeiro-ministro e ministra da Educação estarão presentes no encontro com Jorge Carlos Fonseca.

EUA registam 263 mortos por Covid-19 e mais de 32 mil casos nas últimas 24 horas

Apesar de Nova Iorque não ser mais o estado com maior número de infeções, ainda é o mais afetado em termos de mortes nos Estados Unidos, com 33.215, mais do que no Peru, França ou Espanha.
Ricardo Baptista Leite

Ricardo Baptista Leite: “Tivemos um óbito num turno de 12 horas, além de outros casos muito complexos”

Deputado social-democrata alerta para falhas na resposta à pandemia de Covid-19, que chegou a enfrentar nas urgências do Hospital de Cascais. Testagem em massa, bem como o isolamento dos infetados e casos suspeitos, serão essenciais para garantir que a segunda vaga não se tornará ainda mais difícil de controlar.
Comentários