“Escolas podem fechar e não podemos correr esse risco”, alerta André Ventura

“O transporte dos alunos deve ser feito de forma mais segura, articulado com as autarquias. Isto pode obrigar a que as escolas fechem pouco depois de abrirem, e não podemos correr esse risco. Entregámos um projeto de resolução nesse sentido”, alertou o deputado e presidente do Chega.

André Ventura, deputado único do Chega, considerou, no final da reunião do Infarmed que existe o sério risco de fecho das escolas, pouco tempo depois da sua reabertura, focando a sua intervenção no transporte dos alunos.

“O transporte dos alunos deve ser feito de forma mais segura, articulado com as autarquias. Isto pode obrigar a que as escolas fechem pouco depois de abrirem, e não podemos correr esse risco. Entregámos um projeto de resolução nesse sentido”, alertou o deputado e presidente do Chega.

André Ventura salientou ainda que “hoje ficou claro através dos especialistas que há o risco significativo de uma segunda vaga e o Chega continua preocupado que com o regresso às aulas, o Governo não esteja preparado tendo em conta o contacto que existe com o país-vizinho”.

Recomendadas

OE2021: Federação sindical pediu alterações ao BE e ao PS

A Federação de Sindicatos da Administração Pública (FESAP) pediu hoje aos deputados do Bloco de Esquerda e do Partido Socialista que proponham alterações ao Orçamento do Estado (OE) para 2021 que respondam às reivindicações dos funcionários públicos.

América Latina é a região mais afetada por notícias falsas sobre covid

o Observatório de Infodemia Covid-19 da Fundação Bruno Kessler refere que, dos 83 países em estudo, os 15, onde a fiabilidade das informações sobre a doença difundidos através dos meios digitais é a mais baixa, encontram-se na América Latina, onde 59% do que se publica é considerado “fiável”.

Covid-19: Bastonária dos farmacêuticos diz que Saúde falhou planeamento do inverno

A bastonária dos farmacêuticos defendeu hoje que o país, nomeadamente a área da Saúde, falhou a preparação do período de outono-inverno e criticou a “comunicação bastante irregular” que tem sido feita da pandemia, que não se combate com “normativos”.
Comentários