Espanha acusa China de usar ‘hackers’ para roubar informações sobre vacina contra Covid-19

O Centro Nacional de Inteligência espanhol sabe que o ataque cibernético teve origem na China, porém, fontes consultadas pelo “El País” não revelaram a importância ou natureza das informações roubadas.

Instituto Politécnico de Leiria

O Centro Nacional de Inteligência espanhol está a acusar os hackers chineses de ter acedido a informações confidenciais de vários núcleos de investigação que trabalham no desenvolvimento de uma vacina para combater a Covid-19

Na notícia avançada pelo “El País”, esta sexta-feira, a diretora do CNI assegura que agências secretas de todo o mundo cruzam informação para garantir a impermeabilidade dos sistemas. Ao jornal espanhol, Paz Esteban alerta para um aumento “qualitativo e quantitativo” dos ataques durante o período de confinamento, uma vez que a expansão do teletrabalho potenciou a extensão da “área de exposição” destas ameaças.

A responsável pelas secretas espanholas sublinha ainda que os ciberataques foram dirigidos contra “sectores sensíveis como a saúde e a farmacêutica”, bem como “uma campanha, especialmente viral, não só em Espanha, contra os laboratórios que trabalham na procura de uma vacina para o covid-19”.

Em conversa com o “El País”, Esteban informa que a maioria dos roubos informáticos são provenientes da China e da Rússia e que os intrusos podem ser entidades estatais, mas até mesmo universidades e organizações criminais que depois comercializam os dados obtidos no mercado negro.

Em Espanha, sabe-se que o ataque cibernético teve origem na China, porém, fontes consultadas pela publicação espanhola não revelaram a importância ou natureza das informações roubadas.

Esta não é a primeira vez em que se ouve falar em ataques cibernéticos em altura da pandemia. O Centro Nacional de

Ler mais
Recomendadas

Líderes europeus querem evitar a todo o custo novo encerramento de fronteiras, sublinha António Costa

No final do Conselho de Ministros extraordinário desta quinta-feira, António Costa explicou os compromissos e estratégias acertadas entre os líderes dos 27 estados-membros do bloco europeu, sublinhando que a responsabilidade de conter a pandemia e evitar o colapso dos sistemas de saúde é, agora, de cada um “individualmente”.

França vai gastar 15 mil milhões de euros com medidas de contenção para conter novo coronavírus

“Vamos reforçar todos os dispositivos de ajuda”, afirmou o governante, especificando que seis mil milhões respeitam a fundos de solidariedade, sete mil milhões para desemprego parcial (o designado ‘lay-off’), mais de mil milhões para exonerações de contribuições sociais e outro tanto para assumir custos de empresas com alugueres.

“Não desistimos de nenhuma batalha antes de acabar”. PCP apresenta propostas de alteração ao OE 2021

Entre as medidas apresentadas, no campo da justiça fiscal, João Oliveira anunciou que os comunistas pretendem a “atualização dos escalões IRS, o aumento de mais um escalão neste imposto aumentando a progressividade do mesmo, bem como o aumento dos chamados valores do mínimo de existência e dedução especifica, permitindo cumprir o objetivo de redução da tributação dos rendimentos mais baixos, intermédios”.
Comentários