Espanha propõe atrasar segunda dose para os menores de 80 anos para acelerar processo de vacinação

A ideia é maximizar a vacinação, procurando imunizar o maior número de pessoas com pelo menos uma dose, uma estratégia seguida por países como o Reino Unido.

O Governo espanhol está a ponderar atrasar a administração da segunda dose das vacinas desenvolvidas pela Pfizer e pela Moderna para poder imunizar mais pessoas com a primeira dose destas vacinas.

De acordo com a noticia avançada pelo “El Mundo”, esta segunda-feira, as autoridades estão a ponderar atrasar esta inoculação até oito semanas para pessoas com menos de 80 anos. A ideia é maximizar a vacinação, procurando imunizar o maior número de pessoas com pelo menos uma dose, uma estratégia seguida por países como o Reino Unido, explica o jornal espanhol.

Segundo o modelo actual, aprovado pela Agência Europeia do Medicamento (EMA) e recomendado pela Direção-Geral de Saúde,  a segunda dose da vacina da Pfizer é administrada três semanas após a primeira; no caso da Moderna, quatro semanas depois.

Se a proposta for aprovada (a decisão será tomada a 20 de abril), passariam a ser 56 dias entre as duas doses para as pessoas com menos de 80 anos.

A decisão chega depois de Espanha ter anunciado que não conseguiu cumprir o objetivo estabelecido pelo próprio país e pela União Europeia de vacinar 80% das pessoas com mais de 80 anos no primeiro trimestre do ano. Até ao final do mês de março, menos de 70% dos espanhóis dessa faixa etária tinha recebido a primeira dose da vacina. Aqueles que já tinham tomado as duas doses são menos de um terço.

Em média, em Espanha, são inoculadas quase 120 mil doses das vacinas Pfizer e Moderna, destinadas a essa faixa etária de 2,8 milhões de pessoas. A partir de abril, se as previsões forem cumpridas, o país deverá receber mais de um milhão de vacinas da Pfizer por semana, o suficiente para ultrapassar 80% e atingir a imunização completa dos idosos ao longo do mês.

Ler mais
Recomendadas

Concelhos em alerta. Só Cabeceiras de Basto dá o passo atrás no desconfinamento

O cordão sanitário manter-se-á nas duas freguesias de Odemira. Ainda assim, a ministra Mariana Vieira da Silva diz que a redução da incidência do vírus “é um sinal de uma pandemia que se encontra controlada, pese embora a existência de surtos”.

Média de ocupação dos alojamentos no Algarve foi de apenas 5,7% em abril

“Em valores acumulados, desde o início do ano, a ocupação cama regista uma descida média de 89,4%”, aponta a AHETA.

Governo decide manter cerca sanitária em duas freguesias de Odemira

O fim da cerca sanitária, definida na semana passada, foi reivindicado já pelo município, que na quarta-feira formalizou esse pedido ao primeiro-ministro, António Costa.
Comentários