Europa ultrapassa os dois milhões de infetados

A Rússia é o país europeu que regista o maior número de casos, com 335.882 casos confirmados e 3.388 mortos, com um crescimento diário de cerca de 10 mil novas infeções desde o início de maio.

Covid 19

A Europa regista mais de dois milhões de casos de infeção pelo novo coronavírus, dois terços dos quais na Rússia, Reino Unido, Espanha, Itália e França, de acordo com um balanço da AFP até às 16:00 de hoje.

A contagem, feita a partir de fontes oficiais, regista 2.001.995 casos de covid-19 e 173.133 mortos, o que faz da Europa o continente mais afetado pela pandemia.

A nível global registam-se 5.244.616 casos, entre os quais 339.011 mortos.

A Rússia é o país europeu que regista o maior número de casos, com 335.882 casos confirmados e 3.388 mortos, com um crescimento diário de cerca de 10 mil novas infeções desde o início de maio.

No Reino Unido há 257.154 casos de covid-19 registados e 36.675 mortos; em Espanha 234.824 casos e 28.628 mortos; em Itália 229.327 casos e 32.735 mortos; em França 182.219 casos e 28.2898 mortos.

A AFP refere ainda que os casos confirmado refletem apenas uma parte do total real de infeções, uma vez que em alguns país apenas os casos graves são sujeitos a testes.

Ler mais
Recomendadas

Plano de António Costa Silva visa portos, energia, digital e saúde

“Esta crise mostrou que o papel do Estado tem que ser mais valorizado, mais Estado na economia, o Estado é o último protetor contra todo o tipo de ameaças”, afirmou o gestor independente, que diz ser “favorável aos mercados”, convidado pelo primeiro-ministro para elaborar um plano de recuperação económica para o pós-pandemia Covid-19.

Luxair retoma voos para Faro com clientes luxemburgueses para hotéis do Grupo NAU

Cerca de 70 turistas do Luxemburgo ficaram alojados no o São Rafael Atlântico e o Salgados Dunas Suites, reabriram hoje, dia 31 de maio, as suas portas, e vão permanecer entre sete e 14 noites.

PremiumDominic Cummings: Um conselheiro de quem Boris Johnson recusa qualquer distanciamento

O estratego do Brexit nem sequer necessitou de ser eleito para ser o aliado de eleição do primeiro-ministro britânico. Ao ponto de ser mantido em funções após ser revelado que violou, sem sombra de arrependimento, as regras de confinamento durante a pandemia de Covid-19.
Comentários