Europeias: MAI alerta para possibilidade de alteração de locais de voto

A confirmação do local de voto é recomendada aos eleitores, através dos vários meios à disposição, que incluem o número 3838 para mensagens gratuitas, para o qual se pode enviar uma mensagem com o seguinte conteúdo: RE, espaço, número de cartão de cidadão ou de bilhete de identidade, e a data de nascimento (ano/mês/dia).

O Ministério da Administração Interna alertou hoje para a possibilidade de alteração dos locais de voto provocada pela eliminação do cartão de eleitor e consequente ordem alfabética dos cadernos eleitorais, apelando à confirmação da assembleia de voto.

“Em todos os atos eleitorais ocorrem alterações aos cadernos eleitorais, seja por força de alteração de residência, por reagrupamento de eleitores e, agora, pela sua organização por ordem alfabética. Esta alteração não implica, em regra, a alteração do local de voto, mas ela ocorrerá em alguns postos de recenseamento”, alerta o MAI num comunicado enviado às redações.

A confirmação do local de voto é recomendada aos eleitores, através dos vários meios à disposição, que incluem o número 3838 para mensagens gratuitas, para o qual se pode enviar uma mensagem com o seguinte conteúdo: RE, espaço, número de cartão de cidadão ou de bilhete de identidade, e a data de nascimento (ano/mês/dia).

Os cidadãos podem também usar o portal do recenseamento (em www.recenseamento.mai.gov.pt), a aplicação MAI Mobile (em “saiba onde irá votar”), ou na junta de freguesia da área de residência.

As alterações às leis eleitorais aprovadas na Assembleia da República, depois de uma proposta de lei do Governo, determinaram o fim do número de eleitor, bastando agora, no momento da votação, a apresentação do documento de identificação civil (cartão de cidadão, bilhete de identidade ou outro documento oficial de identificação civil), passando os cadernos eleitorais a estar organizados por ordem alfabética.

Os eleitores portadores de deficiência visual passaram a poder votar sozinhos, sem necessidade de acompanhamento, devido à disponibilização de uma matriz de voto em braille.

As eleições para o Parlamento Europeu servirão também para testar o voto eletrónico presencial, através de 50 mesas de voto eletrónico em 23 freguesias dos 14 concelhos de Évora, que vão funcionar em simultâneo com as mesas de voto tradicional.

A alteração à lei de recenseamento eleitoral introduziu ainda o recenseamento automático dos eleitores residentes no estrangeiro, o que fez aumentar de 318.451 inscritos em dezembro de 2017 para 1.431.825 o número de portugueses residentes no estrangeiro.

Ler mais
Recomendadas

CGD: Faria de Oliveira confirma que ex-gestores preparam queixa contra auditoria da EY

Queixa de ex-gestores da CGD contra a EY por causa dos alegados erros e incorreções na auditoria de gestão poderá dar entrada na CMVM, confirmou ex-presidente do banco público no Parlamento. Faria de Oliveira já tinha considerado que relatório “enviesado”, “viciado” e “descuidado”. E, diz, que antigos administradores querem “verificação da consistência” da auditoria.

Faria de Oliveira: “Banco de Portugal não questionou” CGD sobre projeto La Seda

Antigo presidente da CGD avançou no Parlamento que o banco público “não sentiu necessidade de partilhar” as preocupações quando ao crédito concedido a  à empresa catalã. Nem o Banco de Portugal questionou a Caixa sobre o assunto numa altura em que já havia indicação de problemas relativos ao crédito concedido à La Seda que resultou em perdas de 211 milhões de euro para o banco.

“Obrigação de defender estabilidade financeira” ditou decisão de não executar garantias de Berardo, diz Faria de Oliveira

A estabilidade do sistema financeiro português ditou que a  Caixa Geral de Depósitos (CGD) não tivesse executado as garantias do empréstimo dado a José Berardo (acções do BCP), rebatendo o argumento do empresário madeirense de que se a Caixa tivesse vendido as acções do BCP não tinha perdido nada na sequência do crédito de 350 milhões, apontado pela auditora EY como um dos mais ruinosos para o banco público.
Comentários