Gouveia e Melo: “A guerra não acabou, mas a primeira batalha está ganha”

O coordenador da ‘task force’ prevê que se atinja os 85% da vacinação já no final de setembro. Para que tal seja possível, faltam vacinar ainda, em território nacional cerca de 400 mil pessoas. Gouveia e Melo antecipa uma “imunidade de grupo” depois dos 86% completamente vacinados.

Mário Cruz/Lusa

O vice-almirante Henrique Gouveia e Melo fechou as intervenções da reunião do Infarmed que decorreu, esta quinta-feira, em Lisboa.

“Atingimos os 86% de primeiras doses e 81,5% de vacinação completa”, começou por dizer, acrescentando: “A guerra não terminou, mas pelo menos a primeira batalha está ganha”.

Segundo o responsável, que coordenou a task force para o plano de vacinação contra a Covid-19, já foram administradas no continente cerca de 15 milhões de vacinas e Portugal tem à volta de 1,1 milhão de vacinas em reserva. “Temos vacinas, sem preocupação, eventualmente para uma terceira dose, acima dos 65 anos”, frisou.

Durante os meses de junho, julho e agosto assistiu-se a um “grande reforço” na chegada de vacinas, altura em que, para Henrique Gouveia e Melo, “infelizmente, grande parte da população já se encontrava de férias”. Ainda assim, prevê que se atinja os 85% da vacinação já no final de setembro.

“Já estamos nos 86% [com uma dose] e pensamos que vamos atingir os 85% de vacinação completa no fim de setembro, quanto muito, primeira semana de outubro”, adiantou. Para que tal seja possível, faltam vacinar ainda, em território nacional cerca de 400 mil pessoas, diz o vice-almirante, detalhando: “Destas, 150 mil são recuperadas ainda não elegíveis para a vacinação“, explica.

Para Gouveia e Melo, “vai haver proteção de grupo e eventualmente imunidade de grupo quando atingirmos os 85% ou 86% de vacinação completa”.

Dos 614 mil cidadãos estrangeiros situados em território nacional, já foram vacinados 437 mil, informa.

Entre os 12 aos 17, faixa etária que começou por ser vacinada a meados de agosto, já receberam a primeira dose 85,6%, sendo que aguardam pela vacinação completa cerca de 56%.

Em termos regionais, a região do Algarve, Madeira e Açores são aquelas que se situam ligeiramente atrás na percentagem de população com a vacinação completa: 76%, 78% e 77%, respectivamente, enquanto que o resto das regiões regista mais de 80% das respetivas populações com as duas doses.

Relacionadas

DGS com três cenários de evolução da Covid-19 nos próximos meses

Para estes três cenários, a DGS estudou três fatores constantes. O terceiro cenário apresentado pela entidade liderada por Graça Freitas é o mais grave. Aqui, Portugal enfrenta uma nova variante de Covid-19, a imunidade dura um ano e a mortalidade começa a crescer.

INSA projeta cenário em que regresso às aulas, baixas temperaturas e Natal agravem número de novos casos de Covid-19

O epidemiologista Baltazar Nunes frisa que Portugal encontra-se numa “situação de controlo epidémico”. No entanto, juntamente com a DGS, o INSA desenhou cenários de possível agravamento da pandemia a partir de dezembro, frisando que “isto são cenários, não são projeções”.
Sessão do Infarmed COvid-19

“Estamos no fim de uma fase pandémica”, declara DGS na reunião do Infarmed

A descida da incidência por idade é ainda acompanha por um decréscimo da positividade. “Mostra que mantendo a mesma intensidade de testagem, temos menos vírus em circulação”, tendo Portugal atualmente uma taxa de positividade de 2,5%, abaixo do limiar de 4% definido pelo ECDC.
Recomendadas

Catarina Martins sinaliza que “só não há um OE se o Governo não quiser”

A líder bloquista exemplificou algumas das áreas nas quais quer ver avanços no documento de OE, como o SNS ou as “longas carreiras contributivas”, esclarecendo ainda que “não se prende por questões formais”, pretendendo apenas “redações exatas das leis”.

Pandemia com tendência crescente entre população acima dos 80 anos

Apesar de manter uma intensidade reduzida e incidência estável, o que resulta em baixa mortalidade e pressão nos serviços de saúde, a pandemia volta a dar sinais de crescimento em quase todas as regiões do país, com o R(t) a nível nacional a chegar a 1,00.

PCP: “Não tem havido grande evolução” nas negociações com o Governo sobre o OE2022

Segundo Jerónimo de Sousa, o partido transmitiu a Marcelo Rebelo de Sousa a importância de o orçamento do próximo ano ter incluídas medidas essenciais, nomeadamente de valorização dos salários, das reformas e das pensões, reforço da rede de creches e dos serviços públicos.
Comentários