Governo vê plano de recuperação europeu como resposta a possíveis riscos macro

Condicionado pelo contexto de pandemia, o Governo antecipa várias ameaças à normal execução do OE para 2021, incluindo a deterioração de relações comerciais UE-Reino Unido ou EUA-China, ou a perda de qualidade dos ativos do sistema financeiro, visto como chave no financiamento da recuperação económica nacional.

O relatório detalhado da proposta de Orçamento de Estado (OE) conhecida esta segunda-feira sugere que o plano de recuperação económica Europa 2021-2027 terá de ser o principal mecanismo para fazer face aos vários riscos identificados à execução do documento.

Partindo do cenário base traçado pelo Governo, o documento começa por salientar que, especialmente em contexto de pandemia, as projeções macro encontram-se sujeitas a riscos que poderão afetar a performance orçamental do Estado português. Assim, a principal ameaça será sempre a incerteza, um dos aspetos mais relevantes da crise da Covid-19.

O executivo identifica como principais riscos à execução do OE para 2021 uma rigidez na reafectação de recursos para novos setores da economia nacional, o impacto das políticas nacionais nas cadeias de produção internacionais, e a possibilidade de perda de confiança dos agentes económicos, além do agravamento das contas públicas e a deterioração mais acentuada da qualidade dos ativos do sistema bancário nacional, como se pode ler no documento que acompanha a proposta.

Para além disso, o gabinete de João Leão antecipa a possibilidade de dificuldades no acordo de saída do Reino Unido da UE e tensões comerciais entre os EUA e a China aumentarem os efeitos adversos da pandemia na economia.

Assim, a definição de políticas ajustadas à evolução da crise, tanto ao nível financeiro e comercial, como também ao nível sanitário é um dos fatores chave identificados para conter o impacto da Covid-19. O governo português lembra o montante histórico que representará o plano de recuperação europeu, 5% do PIB do bloco comum, e o efeito indireto que terá na economia nacional, ao ajudar a manter outras economias parceiras.

Em termos orçamentais, o ministério das Finanças identifica ainda quatro possíveis choques negativos à capacidade de execução orçamental portuguesa, mais concretamente o abrandamento da variação da procura externa, um aumento do preço do petróleo, uma subida das taxas de juro de curto prazo ou um crescimento da procura interna abaixo do projetado.

Estes choques levariam a crescimentos do PIB entre 0,1 e 0,3 p.p. abaixo do esperado pelo governo, além de aumentos da taxa de desemprego, agravamento do défice ou aumento do rácio da dívida de, no pior dos cenários, 0,6 p.p.

Ler mais
Relacionadas

Estado vai encaixar mais 2.839 milhões de euros em impostos

Em 2021, o Estado vai encaixar mais 2.839 milhões de euros em impostos, o que corresponde a um aumento da receita fiscal de 7% que contrasta com a queda prevista para este ano, segundo a proposta de lei do OE2021 entregue nesta segunda-feira, 12 de outubro, no Parlamento.

Oficial: Economia portuguesa deve crescer 5,4% em 2021, após quebra recorde de 8,5% este ano

Uma recuperação apenas parcial em 2021. Na proposta do OE2021 entregue hoje na Assembleia da República, o Governo prevê que o crescimento da economia no próximo ano não seja suficiente para compensar a quebra recorde de 2020.

Conselho das Finanças Públicas “endossa” previsões macroeconómicas do Governo no OE2021

O Governo projeta uma expansão económica de 5,4% em 2021, depois de uma recessão recorde de 8,5% este ano. “Atendendo à dimensão das novas medidas de suporte à atividade económica e ao rendimento é de esperar um efeito positivo sobre a dinâmica de crescimento”, sublinhou o CFP.
Recomendadas

“Sobreviver a Pão e Água”. “Centenas” de membros do movimento dispostos a regressar à greve de fome se Governo não aprovar medidas exigidas

Movimento diz que Governo disse que iria apresentar em breve várias das medidas por si exigidas. Se até dia 11 de dezembro, não apresentar as restantes medidas ameaçam que com o regresso à greve de fome em frente ao Parlamento e por todo o país, com “mais de uma centena de pessoas”.

Natal e passagem de ano: estas são as 14 regras que vão vigorar

Restaurantes abertos até à uma da manhã nas noites de natal e de passagem de ano, e natal sem interdição de circulação entre concelhos são algumas da medidas que vão vigorar durante a época festiva. Governo avalia medidas a 18 de dezembro à luz da evolução da pandemia da Covid-19.

Costa adia anúncio de medidas de apoio para as rendas do comércio e da restauração

A 21 de novembro, o primeiro-ministro anunciou que as medidas de apoio para as rendas de lojas e restaurantes seria anunciada nos dias seguintes. Passados 15 dias, o Governo ainda não anunciou os apoios e adiou para a próxima semana.
Comentários