IRS: Contribuintes vão continuar a poder corrigir algumas despesas

No próximo ano, o fisco vai manter a possibilidade de quando preencher a declaração de IRS, poder declarar despesas relativas a saúde, formação e educação, lares e imóveis para habitação permanente no anexo H, substituindo os valores apurados pela AT. Medida está prevista numa versão preliminar da proposta do OE2021, a que o JE teve acesso.

As famílias vão continuar a poder alterar, na sua declaração de IRS, o valor de um conjunto de despesas apuradas pelo Fisco. Se os gastos com saúde, formação e educação, imóveis para habitação permanente e lares não batem certo com as suas faturas, poderá corrigir a informação no anexo H. A medida está prevista numa versão preliminar da proposta do OE2021 a que o Jornal Económico teve acesso.

“No que se refere ao apuramento das deduções à coleta pela AT os sujeitos passivos de IRS podem, na declaração de rendimentos respeitante ao ano de 2020, declarar o valor das despesas a que se referem aqueles artigos [os gastos com saúde, formação e educação, imóveis para habitação permanente e lares]”, lê-se no documento.

Segundo a versão preliminar da proposta do OE2021, o uso desta faculdade para efeitos do cálculo daquelas deduções à colecta previstas no Código do IRS determina “a consideração dos valores declarados pelos sujeitos passivos, os quais substituem os que tenham sido comunicados à AT”.

À semelhança de anos anteriores, a proposta do OE2021 contempla, assim, a possibilidade de os contribuintes indicarem, na respetiva Declaração de IRS – Modelo 3 referente a 2020, os montantes correspondentes às despesas suportadas com saúde, formação e educação, encargos com imóveis e com lares. Esta opção implica, por um lado, a substituição dos valores declarados pelos contribuintes, entretanto conhecidos pela Autoridade Tributária e Aduaneira (AT) e, por outro, a comprovação da parte que exceda os montantes conhecidos pela AT.

Também semelhante possibilidade se prevê em sede de categoria B (rendimentos empresariais e profissionais), podendo-se proceder à declaração de despesas e encargos relacionados exclusiva ou parcialmente com a sua atividade profissional na declaração de rendimentos de 2020, substituindo os montantes previamente comunicados à AT (sem prejuízo de necessidade de comprovação dos mesmos perante a mesma).

Se optar por alterar os valores, a informação que introduzir vai substituir os dados comunicados à AT. Deve então inscrever todas as despesas do agregado, por titular, mesmo aquelas cujo valor não muda face aos comunicados à AT.

Os valores que a AT apresenta são aqueles que foram comunicados através de faturas (e-fatura) ou de declarações acessórias. Se o contribuinte mudar os montantes, terá de os comprovar na parte que exceda o valor comunicado à AT, se a questão for levantada pelo Fisco. A obrigação mantém-se por quatro anos.

Ler mais
Recomendadas

“Sobreviver a Pão e Água”. “Centenas” de membros do movimento dispostos a regressar à greve de fome se Governo não aprovar medidas exigidas

Movimento diz que Governo disse que iria apresentar em breve várias das medidas por si exigidas. Se até dia 11 de dezembro, não apresentar as restantes medidas ameaçam que com o regresso à greve de fome em frente ao Parlamento e por todo o país, com “mais de uma centena de pessoas”.

Natal e passagem de ano: estas são as 14 regras que vão vigorar

Restaurantes abertos até à uma da manhã nas noites de natal e de passagem de ano, e natal sem interdição de circulação entre concelhos são algumas da medidas que vão vigorar durante a época festiva. Governo avalia medidas a 18 de dezembro à luz da evolução da pandemia da Covid-19.

Costa adia anúncio de medidas de apoio para as rendas do comércio e da restauração

A 21 de novembro, o primeiro-ministro anunciou que as medidas de apoio para as rendas de lojas e restaurantes seria anunciada nos dias seguintes. Passados 15 dias, o Governo ainda não anunciou os apoios e adiou para a próxima semana.
Comentários