Itália autoriza os 180 migrantes do ‘Ocean Viking’ a desembarcar na Sicília

As autoridades italianas autorizaram desembarque na Sicília os 180 migrantes a bordo do navio humanitário ‘Ocean Viking’, gerido pela SOS Méditerranée.

As autoridades italianas autorizaram hoje a desembarcar na Sicília os 180 migrantes a bordo do navio humanitário “Ocean Viking”, gerido pela organização não-governamental (ONG) SOS Méditerranée, que anunciou a decisão do Governo de Roma.

A ONG adiantou que o navio foi autorizado a aportar em Porto Empodocle, no sul da Sicília, onde os resgatados deverão desembarcar na segunda-feira. “Alívio no ‘Ocean Viking’, já que o navio recebeu, finalmente, instruções para dirigir-se para Porto Empodocle, Sicília. Os 180 resgatados [no Mar Mediterrâneo] desembarcarão no porto amanhã [segunda-feira]”, lê-se no Twitter.

No entanto, o Ministério do Interior italiano já adiantou que os 180 migrantes serão transferidos para outro navio, onde irão passar duas semanas de quarentena.

“Estão autorizados a serem transferidos para bordo do ‘Moby Zaza”, um ‘ferryboat’ que está atracado no porto siciliano”, disse o ministro do Interior italiano, Dino Martirano.

No Twitter, a SOS Méditerranée, porém, criticou o “atraso desnecessário do desembarque”, que, sustentou, “pôs vidas em risco”, uma vez que alguns dos 180 migrantes já estão há dez dias a bordo” depois de terem sido resgatados a 25 de junho. Entre os resgatados estão 25 menores e uma mulher grávida.

“Ao longo dos últimos dias, a União Europeia (UE) manteve-se em silêncio. Não vimos qualquer iniciativa para repensar o Acordo de Malta e para transferir as pessoas resgatadas. Não há sinais de solidariedade com os Estados costeiros [do Mediterrâneo]”, frisou a organização não-governamental.

A SOS Méditerranée lembrou que, no sábado, uma equipa de médicos italianos examinou o estado de saúde dos migrantes, também os testou à covid-19, e pôde reportar no relatório o “enorme incómodo psicológico” que imperava entre os resgatados, algo que a ONG já tinha denunciado nos últimos dias, tendo, inclusivamente, declarado o estado de emergência a bordo.

A ONG pediu também a evacuação de 44 pessoas por motivos de saúde, mas nenhum dos países deu qualquer resposta aos pedidos.

O navio socorreu os 180 migrantes em quatro operações, com a primeira delas a ocorrer a 25 de junho. Desde então, pediu por seis vezes a Itália e a Malta autorização para atracar num qualquer porto da região, tendo só hoje obtido resposta.

A espera dos migrantes no Mediterrâneo e a falta de uma solução no horizonte durante dias levaram quinta-feira a que alguns dos resgatados se atirassem ao mar, tendo, no entanto, sido resgatados imediatamente pela tripulação do navio.

Em setembro de 2019, Itália, Malta, Alemanha e França definiram em La Valeta um plano de redistribuição dos migrantes resgatados do mar.

 

Já este ano, no início de abril, Itália e Malta declararam que os seus portos não eram seguros para os migrantes resgatados do mar devido ao estado de emergência vigente nos dois países por causa da pandemia de covid-19.

Ler mais
Relacionadas

Médicos italianos testam 180 refugiados em embarcação no Mediterrâneo

Uma equipa de médicos italianos realizou hoje testes à covid-19 aos 180 migrantes que aguardam autorização de desembarque na União Europeia.
Recomendadas

Portugal regista mais 325 casos e seis mortes por Covid-19 nas últimas 24 horas

A região de Lisboa e Vale do Tejo regista o número mais elevado de infeções ao dia de hoje, tendo confirmado mais 204 casos em relação aos dados da véspera. O número de casos recuperados em Portugal aumentou para 39.177.

Madeira regista mais um caso positivo de covid-19

A Madeira tem 27 casos ativos de infecção por coronavírus. Total de casos confirmados é de 127 e recuperações estão em 100.

França com forte aumento de novos infetados em um dia com 2.524 casos

O número de novas infeções pela doença Covid-19 em França teve um forte aumento com 2.524 casos nas últimas 24 horas, muito acima dos 1.397 registados na terça-feira, divulgou esta quarta-feira a Direção Geral da Saúde (DGS) daquele país.
Comentários