Lacerda Sales: “A testagem massiva vai começar dentro de pouco tempo”

Questionado sobre se serão as empresas ou o Estado que irão suportar os custos dos testes, o Secretário de Estado da Saúde disse que “essa é ainda uma situação que estamos a ponderar e que teremos de decidir”.

António Lacerda Sales, secretário de Estado da Saúde | António Cotrim/Pool/Lusa

O Secretário de Estado da Saúde, António Lacerda Sales, garante que a testagem massiva ao coronavírus vai avançar brevemente, com o Governo ainda a analisar quem irá suportar os custos dos testes nas empresas.

“A testagem massiva vai começar dentro de pouco tempo”, disse esta segunda-feira, no programa 360º da RTP3, salientando que o Executivo ainda está a ultimar a estratégia de testagem, nomeadamente nas escolas.

Questionado sobre se serão as empresas ou o Estado que irão suportar os custos dos testes, Lacerda Sales disse que “essa é ainda uma situação que estamos a ponderar e que teremos de decidir”.

“É evidente que obviamente se as áreas setoriais tiverem capacidade para que possam ser-lhes imputados esses custos, obviamente que o Ministério da Saúde tem estado muito sobrecarregado do ponto de vista orçamental e de custos”, afirmou o governante, que ainda que realce que “nunca houve qualquer falta em termos de recursos do ponto de vista orçamental para o Ministério da Saúde”.

Lacerda Sales vincou que “a única forma de quebrarmos cadeias de transmissão é de facto seguirmos, isolarmos, testarmos, protegermos, tratarmos”.

Ministra da Saúde diz que “ainda não é o momento” para falar em desconfinamento

 

Ler mais
Recomendadas

Governo espera reabrir turismo em maio

“Por enquanto, as viagens não essenciais precisam de ser restritas, mas acreditamos que Portugal vai poder permitir viagens sem restrições em breve, não só para pessoas vacinadas, mas também para pessoas imunes ou que testem negativo”, afirmou Rita Marques à BBC.

SATA aprova acordo de emergência. Sindicato diz que salvou mais de 500 postos de trabalho na TAP

Num universo de 213 associados tripulantes da SATA, votaram 152 associados, com 135 votos a favor e 17 votos contra o ‘Acordo de Emergência’, releva um comunicado do Sindicato Nacional do Pessoal de Voo da Aviação Civil, dando assim por concluído um processo que envolveu 40 reuniões com as administrações da PGA, da TAP e da SATA, num balanco global em que o sindicato destaca que se salvaram mais de 500 postos de trabalho na TAP.

Portugal vai entregar 60 mil testes à Covid-19 a Cabo Verde, Guiné-Bissau e São Tomé e Príncipe

As três nações dos PALOP recebem o material de diagnóstico e rastreio ao coronavírus entre esta sexta-feira e sábado.
Comentários