Ler em voz alta para nós e para os outros

Jovens de Alcochete chamam a atenção para a importância da leitura. No mundo, mais de 750 milhões de pessoas não sabem ler nem escrever. O ministro da Educação juntou-se aos alunos e partilhou experiências.

“No cume da madrugada/lua e medo/guiam barcos a transbordar” […] Muros na Europa/para vedar/a vontade de viver”. A voz do jovem aluno do Agrupamento de Escolas de Alcochete emocionou quem o escutava no Fórum Cultural de Alcochete, por ocasião do “Espetáculo de Leitura em Voz Alta – Clube MED”.

Tiago Brandão Rodrigues, ministro da Educação, o convidado mais ilustre, foi tocado pela emoção. “Marcante!”, comentaria no final da iniciativa, que considerou um verdadeiro exercício de cidadania.

A iniciativa do Plano Nacional de Leitura 2027, promovida em colaboração com o Agrupamento de Escolas de Alcochete, a Câmara Municipal de Alcochete e a associação artística Andante, pretendeu assinalar o Dia Mundial da Leitura em Voz Alta, que se comemora em todo o mundo no primeiro de fevereiro.

Esta efeméride foi instituída pela organização sem fins lucrativos LitWorld, com o propósito de fomentar o contacto dos jovens com a leitura, a escrita e a narrativa.

Em Alcochete, depois da “leitura em voz alta” de poemas da obra “Clube Mediterrâneo – Doze Fotogramas e uma Devoração”, da autoria de João Pedro Mésseder, Ana Biscaia e Joana Monteiro, onde a tipografia se cruza com a ilustração e que aborda a temática dos refugiados, Tiago Brandão Rodrigues juntou-se aos alunos, partilhando experiências.

Teresa Calçada, Comissária do Plano Nacional de Leitura 2027, grande impulsionadora em Portugal da prática da leitura, dirigiu-se aos jovens e sublinhou a riqueza que é saber ler: “Para quem não sabe ler, ler em voz alta traz tudo, ou quase.”

A alfabetização é uma das conquistas do Portugal democrático. Porém, no mundo inteiro, estima-se que existam 617 milhões de crianças e adolescentes que não têm competências mínimas de leitura, escrita e matemática. Segundo dados avançados pela diretora-geral da UNESCO, Audrey Azoulay, no Dia Internacional da Alfabetização, que se comemorou a 8 de setembro, mais de 750 milhões de jovens e adultos não sabem ler nem escrever.

Ler mais
Recomendadas

Constâncio volta à mira dos deputados com omissões sobre créditos a Berardo debaixo de fogo

Ex-governador do Banco de Portugal volta a ser inquirido pelos deputados esta terça-feira, depois de notícias de que teve conhecimento prévio do financiamento da Caixa Geral de Depósitos a Joe Berardo para comprar ações do BCP, informação que terá omitido na primeira audição. Vítor Constâncio já negou que tenha tido um papel preponderante neste crédito, que se revelaria ruinoso para o banco público.

CGD: Faria de Oliveira confirma que ex-gestores preparam queixa contra auditoria da EY

Queixa de ex-gestores da CGD contra a EY por causa dos alegados erros e incorreções na auditoria de gestão poderá dar entrada na CMVM, confirmou ex-presidente do banco público no Parlamento. Faria de Oliveira já tinha considerado que relatório “enviesado”, “viciado” e “descuidado”. E, diz, que antigos administradores querem “verificação da consistência” da auditoria.

Faria de Oliveira: “Banco de Portugal não questionou” CGD sobre projeto La Seda

Antigo presidente da CGD avançou no Parlamento que o banco público “não sentiu necessidade de partilhar” as preocupações quando ao crédito concedido a  à empresa catalã. Nem o Banco de Portugal questionou a Caixa sobre o assunto numa altura em que já havia indicação de problemas relativos ao crédito concedido à La Seda que resultou em perdas de 211 milhões de euro para o banco.
Comentários