Mais de 1,44 milhões de mortos desde o início da pandemia

Mais de 61.585.860 casos de infeção pelo novo coronavírus SARS-Cov-2 foram diagnosticados oficialmente no mesmo período e em todo o mundo, dos quais pelo menos 39.186.100 pessoas são hoje consideradas recuperadas da doença.

A pandemia de covid-19 provocou pelo menos 1.444.426 mortos em todo o mundo desde que o novo coronavírus foi descoberto em dezembro na China, indica hoje o balanço diário feito agência France-Presse (AFP) com base em fontes oficiais.

Mais de 61.585.860 casos de infeção pelo novo coronavírus SARS-Cov-2 foram diagnosticados oficialmente no mesmo período e em todo o mundo, dos quais pelo menos 39.186.100 pessoas são hoje consideradas recuperadas da doença.

A agência adverte que o número de casos diagnosticados reflete apenas uma fração do número real de infeções, dado que alguns países apenas testam os casos graves, outros priorizam o teste para rastreamento e muitos países pobres têm capacidade limitada de despistagem.

Nas últimas 24 horas, foram registados 11.271 novos óbitos e 633.683 novos casos em todo o mundo, adianta a AFP.

Os países que contabilizaram mais mortes no último dia foram, de acordo com os respetivos balanços, os Estados Unidos da América (EUA) com 1.410 óbitos, a França (957), um número que inclui 564 novas mortes em lares e estabelecimentos médico-sociais) e Itália (827).

Os Estados Unidos continuam a ser o país mais afetado, tanto em número de mortes como de casos, com um total de 264.866 mortes entre 13.092.661 casos, de acordo com a contagem da universidade norte-americana Johns Hopkins.

Ainda nos EUA, pelo menos 4.947.446 pessoas foram declaradas curadas.

Depois dos Estados Unidos, os países mais afetados são o Brasil com 171.971 óbitos em 6.238.093 casos, a Índia com 136.200 mortos (9.351.109 casos), o México com 104.873 mortos (1.090.675 casos) e o Reino Unido com 57.551 mortos (1.589.301 casos).

Também entre os países mais atingidos pela pandemia estão a Bélgica, que regista mais mortos em relação à sua população, com 141 mortes por 100.000 habitantes, seguindo-se o Peru (109), a Espanha (96) e a Itália (89).

A China (excluindo os territórios de Hong Kong e Macau) declarou oficialmente um total de 86.501 casos (seis novos nas últimas 24 horas), incluindo 4.634 mortes e 81.582 recuperações.

Por regiões, a América Latina e as Caraíbas totalizavam até hoje (12:00 de Lisboa) 444.036 óbitos em 12.825.611 casos, a Europa 401.516 mortes (17.634.090 casos), os Estados Unidos e Canadá 276.722 mortes (13.448.905 casos), a Ásia 192.616 mortes (12.237.667 casos), o Médio Oriente 77.344 mortes (3.271.732 casos), África 51.251 mortes (2.137.588 casos) e Oceânia 941 mortes (30.271 casos).

Este balanço foi realizado a partir de dados recolhidos pelas delegações da AFP junto das autoridades nacionais competentes e de informações da Organização Mundial da Saúde.

A AFP ressalva que devido a correções feitas pelas autoridades ou à publicação tardia dos dados, o aumento dos números diários pode não corresponder exatamente aos publicados no dia anterior.

Ler mais
Relacionadas

Covid-19: África regista 305 mortes e 15.573 novos casos nas últimas 24 horas

O maior número de casos de infeção e de mortos regista-se na África Austral, com 878.432 casos e 23.009 vítimas mortais. Nesta região, a África do Sul, o país mais afetado do continente, contabiliza 781.941 casos de infeção e 21.378 mortes.

Alemanha regista 21.695 novos casos e uma tendência de desaceleração

O número de mortes, igualmente nas últimas 24 horas, é de 379, abaixo do máximo registado num dia, 410, na última quarta-feira.
Recomendadas

Rui Rio diz que PS é o “derrotado” destas eleições presidenciais “por falta de comparência”

O líder social-democrata considera, por não ter apoiado nenhum candidato, o PS era já “um derrotado antecipadamente” e sublinhou que, com esta vitória, a esquerda junta não deverá ultrapassar os 35%.

Ferro saúda Marcelo pela vitória e quer aprofundar cooperação institucional

Na mensagem de felicitações que transmitiu a Marcelo Rebelo de Sousa, Ferro Rodrigues observou que o resultado eleitoral obtido pelo atual Presidente da República foi superior ao que alcançou há cinco anos, o que demonstra “a renovada confiança” que nele “depositam as portuguesas e os portugueses para um segundo mandato”.

João Ferreira e Jerónimo de Sousa destacam defesa da Constituição na campanha para a Presidência

O candidato apoiado pelo PCP consegue um resultado melhor do que Edgar Silva, que se ficou pelos 3,95%, e destacou a defesa da democracia e da Constituição da República.
Comentários