Mais de 6% da população sofre de “Covid longa” no Reino Unido

Segundo o gabinete de estatísticas britânico, 3 em cada 50 adultos sofre efeitos duradouros da Covid-19. Cientistas alertam que “Dia da Liberdade” poderá trazer riscos a nível crónico e económico a longo prazo.

No Reino Unido, mais de 6% da população, ou 3,2 milhões de pessoas, sofre efeitos duradouros da Covid-19, ou a “Covid longa” que afetam não só a capacidade de trabalhar, como também o bem estar diário. Os dados do gabinete de estatísticas da região (Office for National Statistics, em inglês), citados pela “Bloomberg”, esta quarta-feira, sugerem assim que os impactos da pandemia a longo prazo poderão ir além dos danos económicos, e deixar marcas a nível social também.

De acordo com uma investigação, seis em cada 10 inquiridos que foram afetados pelos efeitos prolongados da Covid-19 disseram que a doença prejudicava o seu bem-estar geral, enquanto metade dos inquiridos indicou que a doença dificultava o seu trabalho.

O alerta chega dois dias depois do “Dia da Liberdade” em Inglaterra, dia em que o governo de Boris Johnson mandou levantar maioria das restrições contra a pandemia, nomeadamente, o uso obrigatório de máscara, o distanciamento social e a reabertura de bares e discotecas. Apesar do levantamentos destas restrições, o número de novos casos tem continuado a aumentar (+46.558 infeções) tendo sido registado, esta terça-feira, o maior número de mortes por Covid-19 em quatro meses: 96.

“Demos conta de pessoas que poderão ter tido impactos negativos duradouros à Covid-19”, afirmou Tim Vizard, principal investigador do órgão. “É necessário mais trabalho para separar os efeitos deste vírus prolongado teve numa variedade de fatores, como idade, sexo ou deficiência”, disse.

Por sua vez, o secretário de Estado da saúde britânico Sajid Javid afirmou, no início desta semana, que estes efeitos podem ter consequências “graves e debilitantes a longo prazo para milhares de pessoas em todo o Reino Unido, o que pode tornar a vida diária extremamente desafiadora”.

Embora a população com cerca de 50 anos possa ser a mais afetada pela “Covid-19″, os investigadores antecipam que a faixa etária mais jovem poderá registar mais casos de danos duradouros uma vez que é aquela que ainda não está totalmente imunizada.

Mais de 120 cientistas alertaram sobre os riscos do plano de desconfinamento total do governo de Boris Johnson numa carta para a revista médica “Lancet” a 7 de julho, dizendo que o país “corre o risco de criar uma geração com problemas crónicos de saúde e deficiências, cujos impactos pessoais e económicos podem ser sentidas nas próximas décadas”.

Recomendadas

Infeções continuam a baixar no Reino Unido apesar do fim das restrições

O número de casos de Covid-19 continua a baixar no Reino Unido apesar do fim das restrições, com um total de 24.551 novos casos positivos anunciados esta segunda-feira, menos 21,5% que os registados há uma semana.

Incidência em Espanha sobe para 700 casos por 100 mil habitantes

A incidência acumulada de infetados por Covid-19 em Espanha subiu para 700 casos por cada 100 mil habitantes diagnosticados nas últimas duas semanas, tendo sido registados, desde sexta-feira, 61.625 novos contágios e 47 mortes.

Dr. Bayard produz um milhão de rebuçados peitorais na época alta

A empresa portuguesa de raiz familiar já vai na terceira geração e está rodeada de um segredo que vem desde 1944.
Comentários