Mais de 978 mil mortos e 31,9 milhões de infetados por Covid-19 em todo mundo

Na quarta-feira foram registadas 6.318 novas mortes e 304.210 novos casos em todo o mundo. Os países que registaram o maior número de novas mortes são os Estados Unidos com 1.228 novas mortes, Índia (1.129) e Brasil (869).

A pandemia do novo coronavírus já causou a morte a mais de 978 mil pessoas e infetou mais de 31,9 milhões em todo o mundo desde dezembro, segundo um balanço da agência AFP baseado em dados oficiais.

De acordo com o balanço da agência francesa de notícias, hoje às 11:00 TMG (12:00 em Lisboa), já morreram pelo menos 978.448 pessoas e de 31.975.020 foram infetadas em 196 países e territórios desde o início da epidemia de covid-19, em dezembro de 2019, na cidade chinesa de Wuhan.

Pelo menos 21.891.500 pessoas já foram consideradas curadas pelas autoridades de saúde.

A AFP adverte que o número de casos diagnosticados reflete apenas uma fração do total real de infeções, já que alguns países estão a testar apenas casos graves, outros usam o teste como uma prioridade para rastreamento e muitos países pobres têm apenas capacidade limitada de rastreamento.

Na quarta-feira foram registadas 6.318 novas mortes e 304.210 novos casos em todo o mundo. Os países que registaram o maior número de novas mortes são os Estados Unidos com 1.228 novas mortes, Índia (1.129) e Brasil (869).

Os Estados Unidos são o país mais afetado em termos de mortes e casos, com 201.910 mortes e 6.934.233 casos, de acordo com um balanço da Universidade Johns Hopkins. Pelo menos 2.670.256 pessoas foram declaradas curadas.

Depois dos Estados Unidos, os países mais afetados são o Brasil com 138.977 mortes e 4.624.885 casos, a Índia com 91.149 mortes (5.732.518 casos), o México com 74.949 mortes (710.049 casos) e o Reino Unido com 41.862 mortes (409.729 casos).

Entre os países mais atingidos, o Peru é o que apresenta o maior número de mortes em relação à sua população, com 97 mortes por 100.000 habitantes, seguido pela Bélgica (86), Espanha (66), Bolívia (66) e Brasil (65).

A China (sem os territórios de Hong Kong e Macau) contabilizou oficialmente um total de 85.314 casos (sete novos entre quarta-feira e hoje), incluindo 4.634 mortes (nenhuma nova) e 80.513 recuperações.

A América Latina e as Caraíbas totalizaram 330.403 mortes e 8.944.819 casos, Europa 227.862 mortes (5.060.966 casos), Estados Unidos e Canadá 211.189 mortes (7.081.746 casos), Ásia 130.109 mortes (7.564.259 casos), Médio Oriente 43.430 mortes (1.861.008 casos), África 34.521 mortes (1.430.902 casos) e Oceânia 934 mortes (31.321 casos).

O balanço foi realizado a partir de dados recolhidos pelas delegações da AFP junto das autoridades nacionais competentes e de informações da Organização Mundial de Saúde (OMS).

Devido a correções feitas pelas autoridades ou publicação tardia dos dados, os números do aumento de 24 horas podem não corresponder exatamente aos publicados no dia anterior.

Portugal, de acordo com o último relatório da Direção-Geral da Saúde (DGS), contabiliza 1.928 mortos associados à covid-19 em 70.465 casos confirmados de infeção.

Ler mais
Relacionadas

Portugal regista mais 691 casos e três mortes por Covid-19 nas últimas 24 horas

As autoridades sanitárias contabilizaram mais 386 altas nas últimas 24 horas, elevando para 46.676 o número total de pessoas livres do vírus.
Recomendadas

Venezuela testou com sucesso molécula que anula o novo coronavírus

O Presidente da Venezuela explicou ainda que se trata da molécula DR10, que foi totalmente isolada e “não tem nenhum tipo de toxicidade que afete moléculas saudáveis” ou cause efeitos colaterais.

Estado australiano foco da pandemia levanta confinamento a partir de terça-feira

O confinamento foi decretado em julho, quando o número de novos casos era de cerca de 190 por dia, número que subiu para 700 em agosto.

OE2021: Rio diz que nem com alterações na especialidade orçamento fica em condições

Assim, de acordo com Rio, o PSD vai votar contra na generalidade “na convicção de que, por mais alterações que se possam fazer na especialidade”, o documento “não vai ficar em condições de fazer aquilo” que os sociais-democratas consideram que “deve ser feito”.
Comentários